André Bessa: “Jogar no Dragão tem sido decisivo”

O base que arrancou elogios a Rui Gomes no final do segundo jogo dos “Playoffs” está em destaque na “Dragões” de maio

Por Bruno Leite

O FC Porto venceu a fase regular da Liga Portuguesa de Basquetebol, dividida em dois momentos, e garantiu dessa forma o fator-casa em todas as eliminatórias dos Playoffs. Em entrevista à “Dragões”, o base André Bessa enalteceu o percurso trilhado pelos azuis e brancos num campeonato cada vez mais competitivo e reconheceu a importância de chegar à fase a eliminar na condição de primeiro classificado, uma vez que isso permite aos campeões nacionais decidir no Dragão Caixa qualquer uma das eliminatórias dos Playoffs.

Com a equipa finalmente a trabalhar na máxima força ao longo das últimas semanas, André Bessa aponta a revalidação do título como o grande objetivo do FC Porto, mas acredita que a luta será dura e intensa até ao fim, até porque os adversários são fortes e de qualidade.

Quão importante é chegar aos Playoffs em primeiro lugar?
É muito importante garantir o fator-casa nos Playoffs, sobretudo porque jogar no Dragão Caixa tem sido decisivo para nós. Foi em casa que construímos grande parte das nossas vitórias, mas sabemos que, para sermos campeões, também temos de ganhar jogos fora. De qualquer forma, não escondemos que é importante saber que qualquer eliminatória se vai decidir no Dragão Caixa, caso se chegue ao quinto jogo.

Nesta temporada o FC Porto tem sentido mais dificuldades nos jogos fora do que as que sentiu na época passada?
Esta época o campeonato está mais forte e competitivo, por isso é natural que as dificuldades sejam maiores. Na temporada passada, por exemplo, não perdemos nenhum jogo em casa, e este ano isso já aconteceu, tanto no campeonato como na Taça de Portugal. As equipas reforçaram-se bem, têm excelentes plantéis e acabam por criar-nos mais dificuldades.

A luta pelo título será entre FC Porto e Benfica ou outras equipas podem intrometer-se?
Penso que sobretudo a Oliveirense e o Vitória de Guimarães têm uma palavra a dizer nesta luta, mas é natural que se considere o FC Porto e o Benfica como os mais fortes candidatos ao título. Creio que tanto a Oliveirense como o Vitória de Guimarães têm argumentos e qualidade para discutir um lugar na final dos Playoffs.

Em 2015/16, o FC Porto perdeu apenas um dos dez jogos que realizou nos Playoffs. Este ano será mais difícil igualar ou até superar esse registo?
Na época passada os Playoffs não foram fáceis, e este ano serão ainda mais difíceis. Os nossos adversários, além de estarem mais fortes, têm uma grande motivação quando jogam contra nós, por isso temos sempre de os superar nesse aspeto. Toda a gente nos quer ganhar, pois somos os campeões em título.

Na época passada o FC Porto venceu a maior parte dos jogos que fez contra o Benfica, mas esta temporada não tem sido bem assim. Encontra grandes diferenças entre as duas equipas?
Além de ter uma equipa com muito valor e qualidade, o Benfica tem estudado bem a lição para os jogos contra nós, nos quais tem sido mais agressivo, sobretudo em termos defensivos. Na época passada talvez nos tenham subestimado um pouco, por ser a nossa época de regresso, mas a realidade é que, este ano, já nos venceram algumas vezes. Vamos procurar corrigir isso nos Playoffs, caso joguemos contra eles.

Também por isso é essencial jogar mais vezes em casa nos Playoffs?
Embora o Benfica já tenha ganho esta época no Dragão Caixa, acredito que isso não irá acontecer nos Playoffs. Jogar na Luz e perder pode perfeitamente acontecer, mas em nossa casa mandamos nós e temos o objetivo de vencer todos os jogos que tivermos no Dragão Caixa até ao fim do campeonato.

Acredita que o FC Porto estará mais forte nos Playoffs, à semelhança do que aconteceu na temporada anterior?
Este ano já tivemos a equipa incompleta em vários momentos, durante períodos de tempo relativamente longos. Desde há umas semanas para cá que temos todo o grupo disponível e a trabalhar bem, por isso acredito que estaremos melhores e mais fortes nos Playoffs. As lesões fazem parte do desporto, mas temos tido muito azar nesse aspeto esta época.

De que forma é diferente a preparação para os Playoffs?
Fazemos muito trabalho específico em várias vertentes, seja a de lançamento, a tática, a técnica ou a física, além de estudarmos sempre o adversário. É sempre diferente, pois sabemos de antemão que, em cada eliminatória, vamos defrontar a mesma equipa pelo menos três vezes. É certo que nos preparamos sempre para cada jogo, mas nesta altura, no fundo, preparamo-nos para toda uma eliminatória. Nestas semanas, ainda mais, tudo é planeado ao pormenor.

É mais difícil ser-se campeão duas vezes seguidas do que sê-lo a primeira vez?
Completamente. Na época passada foi a primeira vez que fui campeão enquanto sénior e sei que foi difícil, mas conseguir sê-lo duas vezes seguidas é ainda mais difícil. No ano passado sentimos que as equipas não nos respeitavam o suficiente, mas este ano todas nos querem ganhar, pois somos os campeões e toda a gente quer ganhar aos campeões.