Aproveitar o embalo de Valência para pedalar no Algarve

W52-FC Porto-Mestre da Cor corre no Algarve a segunda prova internacional da temporada

 

Arranca na quarta-feira a 43.ª Volta ao Algarve em bicicleta e, como vem sendo habitual, a prova algarvia, que este ano viu o seu estatuto reforçado pela União Ciclista Internacional (passou da categoria 2.1 para 2.HC) faz regressar ao território nacional a elite do ciclismo mundial, com as principais equipas do World Tour a repetirem presença na edição de 2017. Entre formações do escalão mundial (12), continental profissional (6) e continental (7), são 25 as que na quarta-feira vão partir de Albufeira para a primeira de cinco etapas da corrida, que terá um total 772,8 quilómetros.

Após a estreia na temporada de 2017 na também internacional Volta à Comunidade Valenciana (Valência, Espanha) a equipa de ciclismo do FC Porto centra agora atenções na prova algarvia, na qual repete a presença do ano anterior. Para correr a mais prestigiada competição internacional do calendário português, o diretor desportivo Nuno Ribeiro escolheu oito ciclistas: Rui Vinhas, Raúl Alarcón, Ricardo Mestre, Joaquim Silva e António Carvalho e os três reforços Jacobo Ucha, Tiago Ferreira e Amaro Antunes, este último merecedor de especial atenção.

O algarvio, que na sua prova de estreia com a nova camisola foi o melhor portista em Valência (20.º), procura repetir em casa a boa prestação de 2016, na qual terminou no lugar que fechou o top 10. Quanto aos Dragões, desta vez “órfãos” do chefe de fila Gustavo Veloso, vão à procura de prolongar a boa imagem deixada em Valência, onde colocaram por três vezes ciclistas no top 10 das etapas.

O percurso da corrida volta a contar com duas etapas de montanha, com chegadas em alto, duas em linha, e com um contrarrelógio individual a correr-se a meio da prova, no terceiro dia de competição (sexta-feira). Tudo começa em Albufeira e com os primeiros 182,9 quilómetros praticamente planos que levarão os corredores até Lagos, naquela que será também a primeira oportunidade para os consagrados sprinters do pelotão, que conta com nomes como Mark Cavendish (Demension Data) e André Greipel (Lotto), confirmarem credenciais.

O primeiro teste para os candidatos à amarela surge no segundo dia, com o ponto mais alto do Algarve, no alto da Fóia (Serra de Monchique) a por termo aos 189,3 quilómetros da tirada que partirá de Lagoa. A dura subida final terá um total de 9,1 quilómetros com uma inclinação média de 6,2 por cento, para a qual em muito contribui os 9,6 por cento dos primeiros mil metros.

Na sexta-feira, a fortaleza de Sagres vai ser o epicentro da ação, sendo ponto de partida e de chegada do contrarrelógio individual de 18 quilómetros que repete o percurso do ano anterior e no qual se poderão ver em ação os campeões mundial (Tony Martin, Quick Step) e europeu (Jonathan Castroviejo, Movistar) da especialidade.

A prova segue no sábado com a tirada mais longa a correr-se entre Almodôvar e Tavira (203,4 quilómetros) em mais uma etapa talhada para os sprinters. Para domingo, dia de todas as decisões, fica a subida ao alto do Malhão, que consagrará o sucessor do vencedor das duas últimas edições, o galês Geraint Thomas, que falha a edição de 2017. Entre a chegada e a partida de Loulé vão correr-se os últimos 179,2 quilómetros da corrida.

Percurso da Volta ao Algarve de 2017

Etapa 1: Albufeira – Lagos (182,9 quilómetros)
Etapa 2: Lagoa – Fóia (189,3 quilómetros)
Etapa 3: Sagres – Sagres (C/R individual, 18 quilómetros)
Etapa 4: Almodôvar – Tavira (203,4 quilómetros)
Etapa 5: Loulé – Malhão (179,2 quilómetros)

 

Fonte: FC Porto