Bosingwa recorda Co Adriaanse e as corridas na areia antes do pequeno-almoço

José Bosingwa, entrevistado no Porto Canal, recorda os anos seguintes ao FC Porto campeão europeu com José Mourinho

Mourinho sai, entra Del Neri: “Foi difícil porque a equipa vinha de dois anos com José Mourinho, foi um choque. Passámos a jogar em 4x4x2 à italiana e tudo aquilo era novo para nós. Del Neri saiu e chegou o Fernandez. Começou bem com a vitória na Supertaça diante do Benfica”

A chegada de Couceiro: “Deu-me uma enorme prova de confiança, porque o Seitaridis tinha chegado ao FC Porto como o melhor lateral direito do Euro’2004. O mister Couceiro disse que ia apostar em mim como lateral-direito e eu até comecei por não aceitar bem porque estava a treinar para ser médio. Mas ele disse-me que se eu queria fazer carreira internacional teria de ser lateral”
Dragão como fortaleza: “Compreendo quando o Nuno fala do Dragão como fortaleza porque vencer em casa é meio caminho andado para ganhar o campeonato. Em 2004/05 perdemos 24 pontos em casa, isso é coisa de equipa que luta para não descer e chegámos à última jornada a poder ganhar o campeonato porque fizemos mais pontos fora de casa”.

Co Adriaanse: “Foi uma pessoa muito importante porque vínhamos de um ano complicado. Era um treinador muito rígido, Lembro-me no estágio de acordarmos às 6h30 e ír correr para a praia e de bicicleta para o bosque. Só depois tomávamos o pequeno-almoço e íamos treinar para o campo. Ele era diferente mas com ele todos os jogadores evoluíram. Ele dava muita importância à equipa e quis usar o Quaresma como exemplo”

Bosingwa: “Jesus disse que podíamos descansar porque ia ganhar a Alvalade”

Em entrevista ao Porto Canal, Bosingwa recorda o primeiro título conquistado com Jesualdo Ferreira, na época 2006/07.

Jesualdo Ferreira: “Jesualdo foi o treinador com quem mais aprendi, foi quem mais me ensinou e com quem mais evoluí”.

Duas últimas jornadas frenéticas e conquista do título em 2006/07: “Até janeiro estivemos muito bem. Depois de janeiro perdemos pontos e começámos a dar esperanças ao Sporting. Chegamos a Paços, na penúltima jornada, em desvantagem e começámos a perder. Na segunda parte começou a chover sem parar e foi a primeira vez, em cinco anos no FC Porto, que festejamos um empate. Para nós um empate era como uma derrota”.

Último jogo com o Aves: “Durante a semana, Jorge Jesus [treinador do Belenenses] deu uma entrevista a dizer que o FC Porto podia descansar e que o Belenenses ia ganhar em Alvalade. Ao intervalo já estava 2 ou 3-0 [Sporting acabou por vencer por 4-0]. A segunda parte [com o Aves] foi incrível, Lisandro fez dois golos”.

Exibição de Neuer pelo Schalke: “Tínhamos ouvido falar qualquer coisa dele. Já tinha visto alguns jogos, mas sabíamos que era jovem. Nunca pensei que ia fazer um jogo daqueles. Jesualdo disse-nos que tínhamos de rematar muito porque Neuer era jovem, tinha 19 anos e ia vacilar num jogo importante. Mas não”.

Assobios no Dragão quando o FC Porto já era campeão: “Já éramos campeões há quatro jornadas e foi sempre a festejar. Nessas últimas semanas foi só almoços e festas, a equipa chegou ao jogo cansada. Entrámos em campo pintados, mas antes do intervalo já estávamos a perder 2-0. O público não gostou e começou a assobiar-nos”.

Mais especial conquistar a Champions com FC Porto ou Chelsea?: “Mais especial no FC Porto, porque é o meu clube”.

Fonte: Ojogo