Casillas: o «antigaláctico» que conquistou o Porto

«Portero», portista e cada vez mais portuense. Iker Casillas foi herói no Clássico e é a figura da jornada para o Maisfutebol. José Peseiro fala sobre o consagrado guarda-redes espanhol, que orientou no FC Porto e no Real Madrid

93 minutos do Clássico: canto, Coates sobe na área, «chuta» de cabeça e Casillas mergulha sobre a linha para salvar um golo que parecia certo. Uma defesa de antologia, de levantar o estádio… Festejada como um golo no Dragão.

Naquela salvação in extremis, no tempo e no espaço, o guarda-redes espanhol segurou três pontos e não só garantiu um importantíssimo triunfo na luta pelo título, como afastou ainda mais o Sporting do combate.

Se Tiquinho Soares foi predador, com um bis numa estreia de sonho de azul e branco, Iker fez jus à alcunha de «Santo» com dois lances decisivos: aos 82’ uma grande defesa no primeiro ensaio de Coates e aos 93’… um milagre, que levou Jesus a fazer questão de cumprimentá-lo no final.

É também por esse lance capital, um daqueles momentos eternos que ficam na memória dos adeptos, celebrado em casa pelo próprio filho, o pequeno Martin, que o dono das redes portistas é destacado como figura da 20.ª jornada pela redação do Maisfutebol.

Peseiro: «Casillas tem grande estabilidade psicoemocional»

Nesta segunda época no futebol português Casillas está exibir-se ao seu melhor nível, ao contrário da temporada passada, com exibições de altos e baixos. Entre os dois momentos, uma diferença: deixou de ser convocado para a seleção espanhola, agora comandada por Julen Lopetegui.

Casillas encontrou finalmente a tranquilidade que fez dele um dos melhores guarda-redes do mundo? José Peseiro considera que ele nunca a perdeu. E ao Maisfutebol fala com a propriedade de quem o orientou no FC Porto, na segunda metade da época passada, e também de quem acompanhou de perto o início da sua carreira quando em 2003/04 foi adjunto de Carlos Queiroz no Real Madrid.

«O Iker tem uma estabilidade psicoemocional muito grande. É uma pessoa muito equilibrada e um jogador tranquilo. Como poderia não ser? Se já era assim quando era jovem, agora ainda o é mais. Estreou-se na baliza do Real Madrid, com 17 anos, foi campeão mundial, bicampeão europeu… Jogou quase a vida toda no clube do futebol mundial onde existe mais pressão, onde a exigência é máxima e mesmo quem ganha permanentemente é criticado – que o diga o Cristiano Ronaldo. Quem se queixa da pressão por cá, não imagina o que sofre um jogador do Real Madrid, que é cobrado diariamente de forma constante. Ele soube durante anos e anos suportar isso.»

«Casillas também falha, como todos», concede Peseiro, sem deixar de sublinhar as qualidades de um jogador que orientou em dois momentos bem distintos na carreira: «Aos 35 anos, pode ter perdido alguma velocidade de reação, mas ganhou por outro lado a capacidade de antecipar cada lance. Mostrou isso contra o Sporting, precisamente onde ele é fortíssimo, que é entre os postes. Tecnicamente continua a ser muito bom e demonstra a maturidade que foi ganhando com a idade.»

Ontem, hoje e sempre: «No soy galactico. Soy de Móstoles»

Numa conversa desde os Emirados Árabes Unidos, o agora técnico do Al Sharjah, revela como além das grandes exibições a personalidade de Casillas nos treinos e até fora de campo conquistou os colegas de equipa e também os adeptos.

Não é de agora, garante José Peseiro. «Ele sempre foi muito sociável, uma pessoa simples. Mesmo nos tempos do Real Madrid. Uma espécie de antigaláctico…»

Desses tempos de Madrid, ficou célebre uma frase do próprio sobre a simplicidade com que encara o estrelato. «No soy galáctico. Soy de Móstoles», dizia Iker.

Agora, «no FC Porto, todos gostam muito dele», revela Peseiro: «Relaciona-se muito bem com todos os colegas de equipa, técnicos, diretores… Mostra que é um jogador como qualquer outro. Ele próprio disse que veio para voltar a desfrutar do futebol e da vida. Quer conhecer o país, dar valor a alguns prazeres da vida que só quem chega à sua idade já dá valor. Pode andar na rua tranquilo, por exemplo. Em Madrid, muito dificilmente isso aconteceria…»

Casillas integrou-se no clube e, juntamente com a mulher Sara Carbonero e com os dois filhos, na vida da cidade. Passeia com a família pela Foz do Douro, onde vive num luxuoso apartamento na Cantareira, conversa com os pescadores, frequenta os restaurantes da zona, vai a eventos culturais e promove o Porto através dos testemunhos e vídeos que partilha com as dezenas de milhões de seguidores nas redes sociais.

Portero, portista e cada vez mais um portuense convertido.

Esta segunda-feira de manhã, era vê-lo a aproveitar as tréguas do mau tempo para, quase incógnito, pedalar na marginal, num passeio de bicicleta entre Miragaia e Massarelos. Uma espécie de bonança depois da grande batalha. Haverá forma mais tranquila de recuperar de uma jornada feliz?