Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Construtora fundada pelo presidente do Benfica está falida e deixa Estado “a arder” com 72 milhões

A construtora fundada por Luís Filipe Vieira e Eduardo Rodrigues está em vias de ser liquidada. Criada em 1986, a Obriverca chegou a ser uma das maiores empresas nacionais de construção, estando hoje na falência, com um somatório de dívidas: 392 milhões de euros. Entre os maiores credores estão a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e também estatal Parvalorem e, no total, as duas empresas públicas têm a receber mais de 72 milhões.

Em 2001, 15 anos depois da fundação, Luís Filipe Vieira, atual presidente do Benfica, afastou-se da empresa. E em 2007 o sócio Eduardo Rodrigues decidiu reorganizar o negócio, criando uma “holding” para servir de chapéu ao grupo, a Obriverca SGPS, que agora sem meios para pagar tudo o que deve vai avançar para liquidação.

Sócio do presidente de Luís Filipe Vieira

Eduardo Rodrigues é, segundo o Expresso que avança com esta notícia, um dos empresários portugueses que foi identificado no âmbito da investigação Malta Files, sendo um dos maiores devedores do Novo Banco, devido a créditos concedidos pelo BES. O Novo Banco é, aliás, o maior credor da Obriverca com 169,9 milhões de euros a receber (incluindo juros).

E com quase 52 milhões (relativos a suprimentos que o próprio fez, enquanto acionista, à sua empresa) o fundador da empresa é também um dos maiores credores, a título individual.

Há ainda duas sociedades do grupo de Eduardo Rodrigues que são credoras da Obriverca SGPS: a Obriverca SA (que tem a receber 47,6 milhões) e a Golf Praia da Marinha (16 milhões). E outros credores relevantes são o banco BCP, com 33 milhões a receber, e a empresa estatal Parvalorem, com 12,6 milhões.

O administrador de insolvência, Jorge Calvete, disse ao jornal que o processo de liquidação, que passa por tentar vender o património que a empresa tem, deverá durar três a quatro meses. E admitiu ser possível que diversos credores incorram em perdas face ao montante global de créditos reclamados.

Fonte:

MSN