Costinha e a chegada ao FC Porto

Costinha e a chegada ao FC Porto: “Bem sei o que sofri quando cheguei”

Costinha recordou os primeiros tempos ao serviço do FC Porto, abordando a dificuldade em afirmar-se e o “pesadelo” na estreia pelos dragões

Primeiros passos no FC Porto: “O FC Porto não é um clube fácil, bem sei o que sofri quando cheguei. Cheguei e as pessoas diziam: “Costinha? Mas temos cá o Paredes. O que é que ele vem fazer para aqui?”. O início não foi fácil, quando cheguei ao Porto não era um jogador que as pessoas conhecessem. Tive que fazer a minha estrada, o meu percurso, e estou feliz com isso porque mais tarde, as pessoas reconheceram que eu me envolvia pelo clube, que era profissional. Esse tipo de carinho que todos os adeptos me deram e dão ainda hoje são coisas que não se esquecem”.

Expulso na estreia em Alvalade, clube do pai: “O meu pai sempre foi pelo filho. A partir do momento em que o filho está num clube, eles são sempre por onde está o filho. Pior fiquei eu, porque nunca tinha sido expulso. Começar logo com o Sporting, expulso, nunca é a forma como queres começar”.

Afirmação no FC Porto: “Em Clairefontaine, na pré-época, lembro-me que o Chaínho me disse: “és muito ambicioso, achas mesmo que vais jogar neste meio-campo do FC Porto?”. E eu disse: “eu não acho, tenho a certeza, não vim para aqui para passar tempo, vim para aqui para ganhar títulos e jogar”. Perguntou-me se já tinha visto o plantel do FC Porto. E então, qual é o problema? Se tivesse medo ficava lá no Mónaco, tinha um contrato de seis anos à minha espera e não aceitei, não quis. É a minha forma de estar”.

Fonte: FC Porto