Despedida do Dragão com reviravolta

FC Porto bateu o Paços de Ferreira por 4-1, com golos de Herrera, Brahimi, Diogo Jota e André Silva

 

Num jogo em que as duas equipas já pouco tinham a ganhar, o FC Porto encerrou a época 2016/17, no que toca ao Estádio do Dragão, com uma vitória por 4-1 frente ao Paços de Ferreira. Em casa, os azuis e brancos apenas perderam esta temporada frente à Juventus, o que é curto consolo, e conseguiram nesta partida a quinta reviravolta na Liga NOS, em que o segundo lugar é a classificação final. Os visitantes, que entraram em campo com a permanência mais do que garantida, até marcaram primeiro, mas depois o FC Porto deu a volta ao resultado em apenas cinco minutos. A equipa entregou-se ao jogo, apesar das condicionantes já referidas, e a vitória foi indiscutível.

Com Maxi, Boly e Corona no onze, por troca com Fernando Fonseca, o castigado Felipe e Rúben Neves, o FC Porto começou dominador como se esperava, mas cedo o Paços de Ferreira mostrou que poderia criar perigo em contra-ataque, nomeadamente aos 14 minutos, quando Ricardo Valente, em boa posição, fez a bola passar ao lado da baliza de Casillas. Os visitantes chegariam mesmo ao golo aos 31 minutos, um minuto depois de Marcano obrigar Mário Felgueiras à defesa da tarde, após um canto: na sequência de um lance rápido, Andrézinho rematou fraco à baliza dos Dragões, ainda fora da área, mas a bola sofreu um desvio em Ricardo Valente e enganou Casillas.

Não estava em disputa nenhuma competição, mas o dever de vencer e de manter a integridade competitiva é inato a envergar a camisola do FC Porto. Por isso, a equipa reagiu rapidamente e deu a volta ao marcador em menos de cinco minutos. Aos 35, Herrera respondeu de cabeça a um cruzamento de Corona e, aos 39, foi a vez de Brahimi converter um penálti cometido sobre ele mesmo por Bruno Santos. Ao intervalo, o resultado era consentâneo com o futebol praticado pelas duas equipas.

Diogo Jota substituiu Corona ao intervalo e, com menos de um minuto em campo, o português surgiu sozinho na grande área, assistido por Herrera, e fez o 3-1. Os dois golos de vantagem deram conforto aos Dragões e, na única situação em que os pacenses se aproximaram da baliza azul e branca, Casillas esteve ao seu nível habitual. O jogo arrastou-se até final, com André Silva (terceiro melhor marcador da prova, com 16 golos) a fechar o marcador com a conversão de um penálti, aos 89 minutos, por falta de Christian sobre Diogo Jota. Pena é que, ao longo da temporada, situações muito mais evidentes do que esta não tenham sido apitadas. A época 2016/17 termina no próximo fim de semana, em Moreira de Cónegos, em partida com dia e hora ainda por definir.

Fonte: FC Porto