DIOGO JOTA Surpreendeu o treinador pela definição no remate

NUNO RENDEU-SE PELA PONTARIA

 

DIOGO JOTA Surpreendeu o treinador pela definição no remate e passou logo da ala para o eixo. É o melhor do plantel a esse nível

“Ficou reticente em passar para o meio, mas fez dois golos no primeiro jogo e logo se autoconvenceu”
Vasco Seabra
Treinador adjunto do Paços de Ferreira
Desde a estreia nos juniores até à atualidade passaram quatro anos e Jota já leva 52 golos (22 como sénior). Isto sem nunca ter sido o verdadeiro número 9 e sem bater penáltis nos seniores

Da página 1 Começou a carreira como médio-interior e não foi fácil convencê-lo a jogar no meio. Entretanto desatou a marcar em série e convenceu-se de que que era melhor atacante do que médio

Exceção: com Jorge Simão foi extremo, mas também marcou que se fartou. Foram 14 golos em 2015/16 benfiquista entre os grandes, só o Ranking: marcar de menos tempo para Raúl Jiménez precisaDiogo Jota como avançado foi surpresa de Nuno Espírito Santo em casa do Nacional e a aposta correu tão bem (três golos)queoex-PaçosdeFerreira, emprestado pelo Atlético de Madrid, não voltou a deixar olugar.Jot achegou ao FC Porto feito extremo, mas a precisão no remate que foi mostrando nos treinos convenceu de vez o treinador. Em todos os exercícios que terminavam em remate à baliza, Jota ia sendo sucessivamente o melhor, aquele que mais vezes acertava na baliza e cuja taxa de concretização era mais elevada. O jogador surpreendeu até os colegas, que tinham dele a imagem do que fez no Paços de Ferreira, essencialmente como extremo, mas não a de um atacante tão letal em frente à baliza. Quatro golos em dez jornadas até podem não parecer muito, mas são, principalmente porque Jota só participou em seis delas. A relação minutos/golo começa a ser mais esclarecedora: só Boat eng (Moreirense), Marega (V. Guimarães) e Raúl Jiménez (Benfica) precisam de menos tempo para marcar. E todos jogaram menos do que o portista, o que os ajuda nesse ponto.

Em matéria de definição, os números dos treinos não temos, mas os do campeonato sim. Na recolha efetuada, constatam o soque Nuno já havia percebido: a bater à baliza, poucos têm tanta precisão como o natural de Gondomar. No plantel do FC Porto, nenhum avançado tem uma percentagem de remates enquadrados tão boa como a de Diogo Jota: dois a cada três; André Silva e Depoitre, os outros concorrentes, acertam um em cada dois. Entre os avançados dos três grandes, só há dois com maior precisão: André e Jiménez. Mas André, do Sporting, só tem 191 minutos e a amostra é curta demais para se tirarem conclusões. A de Jiménez, do Benfica, é ligeiramente superior.

Jota nem sempre foi avançado. Aliás, até júnior nunca havia pisado terrenos tão avançados. Vasco Seabra, treinador dos juniores pacenses, é que lhe pediu o “sacrifício.” “Dificilmente ele falhava o alvo. Sempre teve remate muito colocado e dificilmente falhava abaliza; ou dava golo ou o guarda-redes defendia, mas quase todos os remates vão na baliza. Quando falámos com ele, também foi nesse sentido. Ele tem muito golo com ele, aquele faro de goleador”, contounos. Jorge Simão, que o teve na

época passada, concorda: “É com o pé direito, com o pé esquerdo, até de cabeça… É em drible, a puxar para a esquerda, para a direita, para todo o lado. Ele tem essa rara qualidade da pontaria.”

Porém, o agora portista nem sempre quis jogar tão chegado à frente .“Ele eramédi o-interior-esquerdo. Quandop assámos às egundafa sedo Nacional de juniores, falámos com ele porque achámos que teria condições para jogar como avançado, em função do jogo da equipa. Ele ficou um bocadinho reticente, porque achou que deixaria de estar tanto em contacto coma bola. Nós então explicámos que éramos uma equipa de posse, com muita mobilidade, e que isso promovia um jogo um bocadinho diferente, na ótica do ponta de lança, e ele lá aceitou o desafio”, recordou Vasco Seabra. O resultado não podia ter sido melhor. “Ganhámos 2-0, com dois golos dele. Convenceu-se automaticamente e quando lhe perguntei se queria voltar ao meio-campo, disse logo que não. Até ao final da época fez 17 golos em 14 jogos; antes tinha feito cinco em 22 desafios.”

Jorge Simão: “Pode ser sucessor do CR7”

O Ronaldo vai-se reformar e aparece o Jota. Não tenho medo das palavras: ele tem potencial para isso” “Acreditei que iria ficar no Atlético e que com 10 minutos hoje, 10 amanhã, rapidamente seria um indiscutível”
Jorge Simão Treinador do Chaves

Jorge Simão retirou Jota do meio, na época passada, porque sentiu que “o grande forte dele é a capacidade que tem de receber a bola em campo aberto, orientado para a baliza, com possibilidade de ir para cima do adversário.” O treinador recebeu o jogador das mãos de Paulo Fonseca, que em 12 jogos o utilizara quase sempre no meio. “Também o experimentei lá, com o Bruno Moreira, mas entendi desviá-lo. O Jota mostrou-se totalmente disponível, porque sentiu que quanto mais posições conhecesse, melhor para a carreira”, explicou a O JOGO o agora treinador do Chaves.

Simão confessa-se um grande fã do portista e não hesita em garantir que seria ele que escolheria se pudesse contratar qualquer extremo do futebol português. O retrocesso na carreira é, no entanto, impossível. “Eu quase que cometia a ousadia de dizer que o Cristiano Ronaldo se vai reformar e aparece o Jota – pode ser o sucessor do CR7. Eu não tenho medo das palavras e acho que pode acontecer, porque ele tem potencial para isso”, sublinha.

A maturidade é um dos trunfos do craque, o talento o maior de todos e a vontade de melhorar não fica atrás. “É capaz de, nas férias, levar uma bola para jogar com o irmão. E faz tudo para melhorar. A determinada altura vi que, nos treinos, ele só forçava para o pé esquerdo. E depois percebi que ele pôs na cabeça que iria melhorar o pé esquerdo”, elogia. “Confesso que nem o conhecia quando cheguei, mas o impacto foi fortíssimo. Num jogo-treino na Covilhã, ele recebe de costas, com um toque faz um cabrito sobre o adversário e, ao segundo toque, remata de primeira, ainda fora da área, e mete a bola na gaveta. Eu dei por mim a pensar no que era aquilo, se aquele momento teria mesmo acontecido. E depois comentei que este puto não era normal. Com o passar do tempo, só pensei que devia desfrutar do que tinha comigo, pois rapidamente o per der ia.Éotip ode jogador que entorta para um lado, entorta para o outro, finta, remata, entra na área em progressão… faz tudo. É um fora de série e pode ser o sucessor do Cristiano Ronaldo”, recupera.

A Seleção como pano de fundo

Fernando Santos enviou Ilídio Vale para observar os oito portugueses que jogaram o clássico e Jota terá sido o que mais se destacou, pelo menos entre aqueles que o selecionador nacional conhece pior, por nunca os ter tido à disposição. Diogo é um dos nomes que estão na lista para o futuro da Seleção e será difícil a Fernando Santos ignorá-lo se ele continuar titular do FC Porto e a marcar golos com alguma frequência, até porque se dá bem no esquema que a própria equipa nacional costuma utilizar. Para já, no entanto, mantém-se nos sub-21, onde é indiscutível para Rui Jorge. No verão tem o Europeu da categoria, na Polónia, para disputar, a não ser que entretanto já tenha cumprido o sonho de estar na Seleção principal.

FCONTE/ OJOGO