Dragões Diário 24/11/2016

Bom dia,

De casa
O FC Porto regressa hoje aos treinos com uma sessão à porta fechada para preparar a deslocação ao Restelo, de depois de amanhã à noite. Este será o primeiro de dois jogos consecutivos com o Belenenses, pois na terça-feira as duas equipas voltam a encontrar-se, então no Dragão, para a Taça da Liga. Os bilhetes para esse jogo já estão à venda.

Os jornais Record e A Bola noticiaram ontem a abertura de um processo disciplinar ao FC Porto por causa das críticas deste Diário à arbitragem. A notícia já de si pareceria estranha, mais própria de outras paragens e de outros tempos, quando se tenta limitar a liberdade de expressão, de opinião, de indignação, mas o pior ainda estava para vir. O FC Porto não recebeu nenhuma notificação de qualquer processo, nem deste que terá sido instaurado anteontem, nem de um outro alegadamente instaurado a 3 de novembro. Se não há notificação não há processo, como parece ser elementar, mas a verdade é que há uma possibilidade do arguido não ser notificado, que é não prejudicar a investigação. Mas é aqui que se levantam interrogações. Se o FC Porto não é notificado para salvaguarda da investigação, se não é oficialmente anunciado em lado algum que o FC Porto tem um processo – no site da federação diz apenas que foi “instaurado processo disciplinar a sociedade desportiva por afirmações respeitantes ao exercício da função da arbitragem” – como é que os jornais Record e A Bola sabem que é o FC Porto o arguido em questão? Só o podem saber porque alguém do próprio Conselho de Disciplina ou da Comissão de Instrutores da Liga – os únicos com acesso a essa informação – resolveu revelar aos jornais. Mas então se divulgou aos jornais cai por terra a tese da não notificação do arguido para não prejudicar a investigação. Complicado não é? Não é nada complicado, mas é kafkiano qb. Explicar isto tem de ser o passo seguinte do Conselho de Disciplina e da Comissão de Instrutores, para não ficarmos todos a pensar que vivemos num mundo virado do avesso.

Dando como boa a informação dos jornais Record e A Bola, até porque só pode vir de fonte interna, não deixa de ser preocupante que o Conselho de Disciplina queira condicionar o que se escreve neste diário. Tudo o que aqui se tem dito baseia-se em factos. O sr. João Pinheiro transformou um penálti em amarelo por simulação a Otávio no jogo de Setúbal e o sr. João Capela não assinalou três grandes penalidades a favor do FC Porto em Chaves – e posteriormente mais uma em prejuízo do Chaves, como aqui também se escreveu. Isto são factos e o que as entidades do futebol, sejam elas quais forem, têm de se preocupar é com esta adulteração da verdade desportiva e não com o que este diário escreve. Esta inversão da moral é preocupante e segue aquela ideia totalitária e ditatorial se não se fala não aconteceu. Aconteceu sim, aconteceu demasiadas vezes e continua a acontecer e o Dragões Diário não se vai calar enquanto as 18 equipas da competição não forem tratadas da mesma forma.

O FC Porto B empatou a um golo com o Varzim no jogo de estreia de José Ferreirinha Tavares como treinador da segunda equipa. Ruben Macedo abriu o marcador à passagem da hora de jogo, mas o Varzim empatou pouco depois. Em cima do final, aos 91 minutos, Francisco Ramos desperdiçou a transformação de uma grande penalidade. O novo treinador ficou satisfeito com a exibição, apensar do empate: “Fizemos coisas extremamente interessantes para o futuro”.

No basquetebol o FC Porto despediu-se da Taça da Europa da FIBA com nova derrota, desta vez frente ao Sopron por 76-88. Pedro Basto, com 16 pontos, e Miguel Queiroz, com 15, foram os melhores marcadores da nossa equipa.

Do Mundo
É uma notícia que engrandece a cidade. As obras no edifício da Associação dos Albergues do Porto estão prontas e no início de 2017 estarão à disposição dos sem-abrigo, oferecendo condições de pernoita a 75 pessoas – 60 homens e 15 mulheres – com dignidade e conforto, como se de um hostel se tratasse. A associação está agora a mobilar o edifício, aceitando qualquer tipo de donativos.

A poluição atmosférica terá sido responsável pela morte prematura de quase sete mil portugueses, segundo dados da Agência Europeia do Ambiente. Em toda a União Europeia o número de morte por causa da poluição sobe para mais de 430 mil. A exposição às chamadas partículas finas é um problema em quase todas as zonas urbanas da União Europeia, responsáveis pelo agravamento de doenças respiratórias e cardiovasculares.

Aconteceu
Há 12 anos, a 24 de novembro de 2004, o campeão europeu FC Porto vai a Moscovo vencer por 1-0, golo de McCarthy, num jogo disputado sob temperaturas siberianas que chegaram a baixar dos 20 graus negativos e que levaria a UEFA a impor limites para os jogos se iniciarem sob condições severas – desde então a realização dos jogos fica condicionada caso a temperatura esteja abaixo dos 15 graus negativos. Na baliza da nossa equipa estava Nuno Espírito Santo, atual treinador da equipa.

Para ouvir
Hoje ouvimos o que se ouvia em 2004, aquando do jogo de Moscovo da rubrica acima. Os Arcade Fire ainda estavam longe de se tornarem uma superbanda e compunham preciosidades como esta.

Até amanhã,

Francisco J. Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *