EXPRESSO DENUNCIA NOVO ESQUEMA DE CORRUPÇÃO DO BENFICA

Troca de correspondência de Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, “conta” como ele próprio e Nuno Gomes escaparam a uma sanção, depois de Simões Dias, delegado da liga, ter “falsificado” um relatório, informa o Expresso este sábado. 
O pedido de Simões Dias, antigo delegado da Liga, para “desenrascar” dois bilhetes a Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica, para o jogo contra o Nacional, de 2016, é o início de uma história trazida a público pelo Expresso deste sábado, em mais um capítulo de troca de correspondência da Luz.

Na notícia do semanário, o próprio Paulo Gonçalves surge citado na sequência do Benfica-Nacional de 22 de dezembro de 2008, jogo apitado por Pedro Henriques, no qual Nuno Gomes e o dirigente encarnado terão insultado o árbitro do encontro em pleno túnel da Luz e que Simões Dias, delegado ao jogo, omitiu no seu relatório. “Com essa omissão safou-me a mim e ao Nuno Gomes de uma sanção, mas lixou-se”, terá contado Paulo Gonçalves, numa troca de correspondência com a funcionária do Benfica que recebeu o pedido de Simões Dias para arranjar dois bilhetes, em 2016.
O Expresso recorda que por causa dessa omissão, em outubro de 2009, o agora retirado Simões Dias, foi suspenso 18 meses por “falsificar o relatório” ao não ter “intencionalmente mencionado” o comportamento do jogador. “Não se presenciaram graves comportamentos incorretos por parte de qualquer agente desportivo”, escreveu Simões Dias no relatório. Na sequência do relatório do árbitro, Pedro Henriques, que esse sim descreveu os factos, Nuno Gomes apanhou dois jogos de suspensão e uma multa de mil euros.