FC Porto-Benfica (antevisão)

clássico para videntes

Quem se atreve a fazer palpites para um duelo que se reinventa sem lógica?

Vamos perder horas e horas a ouvir falar de estados de alma, baixas, caráter decisivo, registos históricos, ansiedade, motivação, tudo, tudo. Lá dentro, porém, nada importa. É um duelo que se reinventa em cada ocasião, não raras vezes sem lógica, atirando para o lixo milhões de palpites. É no limite um clássico para videntes, com alta probabilidade de insucesso. Se quiser arriscar, vamos ter chuva ou sol no Dragão, à hora do jogo? Nem isso é garantido.

MOMENTO

FC Porto: afastada a ideia de qualquer prognóstico, bastará enumerar o que teoricamente jogará a favor de uma ou outra equipa. No caso do FC Porto, a ausência de lesionados é grande notícia, embora seja um exagero dizer que a equipa está na máxima força. Notou-se inquietante quebra física na segunda parte do jogo com o Club Brugge. Para além disso, há o fator-casa e o desespero por pontos frente ao líder. Se esse desespero for controlado e transformado em motivação, poderá ser positivo. Está em jogo a candidatura ao título.

Benfica: a formação encarnada não está desesperada. Demonstra aliás maior conforto à entrada para esse clássico, onde o empate parece chegar. Isso será bom para o Benfica? Só o tempo dirá. A seu favor joga a sequência de vitórias fora de casa, os processos consolidados com Rui Vitória e o estatuto de tricampeão, com a carga emocional que o acompanha. Porém, ao contrário do adversário, lamenta baixas. Para além de Jonas e Rafa, Fejsa e Grimaldo, unidades influentes. Será por isso menos favorito? A resposta será dada amanhã.

AUSÊNCIAS

FC Porto: nada a registar.

Benfica: Jonas, Rafa, Fejsa e Grimaldo (lesionados).

DISCURSO DIRETO:

Nuno Espírito Santo: «Temos muito jogos frente ao Benfica. Basta ver os últimos 20 clássicos, entre as Antas e o Dragão, e percebe-se que vencemos mais. Jogámos em casa, na nossa fortaleza, com os nossos adeptos, e queremos presenteá-los com uma vitória. Só contemplamos um cenário que é vencer e conquistar os três pontos, nenhum jogador do FC Porto pensa noutra coisa.»

Rui Vitória: «O que gostava era de marcar aos 94 e a vitória ser para nós. O nosso foco é o jogo, o adversário. Temos consciência que é um jogo difícil, contra um adversário forte, como já jogamos, mas nós vamos de forma humilde e solidária tentar impor o nosso jogo e trazer os três pontos. É mais um jogo, mas não muda muito. É um jogo de tripla, dirá um adepto.»

HISTÓRICO DE CONFRONTOS

São 164 clássicos para a Liga portuguesa, com maior número de vitórias para o FC Porto (65 contra 55 e 44 empates). A superioridade acentua-se na Cidade Invicta, onde os dragões venceram 50 dos 82 jogos realizados, contra 19 empates e 13 derrotas. Mas um empate fora é sempre um bom resultado para o adversário. Na época passada, o FC Porto garantiu triunfos nos dois duelos: 1-0 no Dragão, 1-2 na Luz.

EQUIPAS PROVÁVEIS

FC Porto:

Benfica: