FC Porto perdeu no desempate por penáltis frente ao Cruz Azul (3-2), mas leva nota positiva no primeiro exame aberto

No México, o azul mais vivo foi o do Dragão

FC Porto perdeu no desempate por penáltis frente ao Cruz Azul (3-2), mas leva nota positiva no primeiro exame aberto

 

Terminou sem golos, nos 90 minutos, o primeiro ensaio à porta aberta do FC Porto 2017/18, disputado no estádio do Cruz Azul, na Cidade do México, na madrugada desta terça-feira, ainda noite de segunda no México. Num país onde têm muitos admiradores e num estádio que até faz lembrar as velhas Antas, os Dragões sentiram-se em casa e estiveram muito mais perto de vencer no tempo regulamentar do que o rival – especialmente na segunda parte, mesmo depois de várias alterações no onze, tiveram mais posse de bola e oportunidades. Não foi uma laranja mecânica (cor do equipamento alternativo utilizado), nem poderia ser após apenas duas semanas de trabalho, mas foi uma exibição que deixou água na boca, se tivermos em conta as condicionantes, até em termos de altitude. O desempate por penáltis (3-2) foi um mero pró-forma, que permitiu aos locais ficar com a SuperCopa Tecate (será atribuída uma em cada partida do torneio).

No onze, surgiram apenas duas caras novas face à época passada, o lateral Ricardo Pereira (que estava emprestado aos franceses do Nice) e o médio Mikel (cedido em 2016/17 ao Vitória de Setúbal). Como base, o FC Porto apresentou-se num sistema 4-4-2, com Mikel e Óliver a preencherem a zona central do terreno e Otávio a jogar próximo do avançado Soares, apoiado ainda por Corona e Brahimi; na defesa, Ricardo foi a única novidade face ao quarteto mais utilizado de 2016/17. Reyes e Danilo, limitados, não integraram a ficha de jogo.

Após uns minutos iniciais com atrapalhação e passes falhados de parte a parte, o jogo melhorou e a primeira parte teve uma qualidade bastante razoável para o momento de início de época que ambas as equipas vivem, se bem que os Dragões estejam bem mais atrasados – o Cruz Azul já disputou sete particulares e começa na sexta-feira a competir no Torneio Abertura da Liga mexicana. Ambas as formações preocupavam-se em recuperar rapidamente a bola (o que originou muitas faltas), mas também em construir bem os lances de ataque: do lado azul e branco, foi visível a tentativa de trocar a bola em espaços curtos e interiores, ainda que a falta de pernas nem sempre ajudasse à clarividência.

Em termos de oportunidades de golo, as contas ao intervalo revelavam equilíbrio. O FC Porto rematava mais, nomeadamente de meia distância, enquanto o Cruz Azul teve a grande oportunidade para abrir o marcador, aos 17 minutos, por intermédio de Edgar Méndez, que desperdiçou quase em cima da linha de golo. Em contra-ataque, os Dragões também criaram um lance quase tão perigoso, com Soares a servir Corona para um remate cruzado que bateu nas malhas laterais, aos 35. Casillas brilhou aos 19 minutos, ao deter um cabeceamento de Velázquez.

O FC Porto trocou seis jogadores ao intervalo e, ao contrário do que seria expectável, subiu de rendimento e revelou muito mais fio de jogo do que o adversário. Foram sete as ocasiões claras de golo, algumas delas desperdiçadas por más decisões no último passe, compreensíveis nesta fase da época, outras por mera infelicidade, como a bola dividida entre Otávio e o guarda-redes Peláez, aos 62 minutos, que saiu caprichosamente ao lado. Apenas nos últimos minutos o Cruz Azul deu um ar da sua graça, mas aí valeu a coesão defensiva e a atenção de José Sá. O guarda-redes, aliás, ainda defendeu um penálti no obrigatório desempate, mas o FC Porto só converteu dois (por intermédio de Sérgio Oliveira e Herrera) e deixou a taça ficar no Estádio Azul.

O FC Porto faz o segundo e último encontro em território mexicano no estádio do Chivas, em Zapopan, na área metropolitana de Guadalajara, esta quinta-feira, à 1h00 de Portugal Continental. O Porto Canal volta a assegurar a transmissão direta.

Fonte: FC PORTO