FC Porto um a um

Rui Pedro desenhou um golo histórico

Rui Pedro: 8 Mais rápido do que uma galinha preta

Com Depoitre fora dos convocados, Nuno não se arrependeu de depositar a confiança no menino de 18 anos que tem brilhado nos juniores e na equipa B. O golo já era suficiente para não mais esquecer esta noite, mas o contexto torna o avançado numa figura ainda maior. Depois de 25 remates,

inúmeras defesas de Marafona, uma bola no poste, dois golos anulados e um penálti desperdiçado, foi o mais novo em campo a ter a frieza necessária para, aos 90+5’, se isolar e bater o guarda-redes, terminando com a malapata de 500 minutos sem marcar, que nem a galinha preta lançada antes do jogo parecia capaz de quebrar…

Casillas 6

O internacional espanhol foi praticamente um espectador. Incomodado mesmo só pelos petardos que estouraram na bancada atrás de si na primeira parte. Controlou os cruzamentos e nada mais teve de fazer.

Maxi 7

Que pulmão e que exemplo. Não desistiu nunca, empurrou os companheiros para a frente, acabou como verdadeiro ponta de lança e também ele teve a sua hipótese de marcar, mas Marafona não permitiu o golo do uruguaio.

Felipe 7

Impressionante a forma como o “Xerife” controlou os avançados do Braga. Rápido a reagir e a bloquear os remates. Secou, sozinho, o ataque dos minhotos.

Marcano 6

Esteve perto do golo a fechar a primeira parte, numa noite sem erros – mais uma – mas também sem sobressaltos porque esteve sempre bem posicionado em campo.

Layún 6

Voltou ao lado esquerdo da defesa para dar profundidade à equipa. Cruzou algumas vezes, mas o que ficou na retina foi o passe a isolar André Silva aos 21’. Sem problemas a defender. Saiu para a equipa ganhar ainda mais metros no terreno.

Danilo 7

O médio portista ganhou praticamente todas as segundas bolas, iniciou bastantes ataques e mandou uma bola poste de cabeça a fechar a primeira parte.

Óliver 5

Contribuiu de forma incrível para o festival de golos perdidos: aos 28’ recebeu uma bola mal aliviada de Marafona, mas não foi capaz de acertar com a baliza e estava enquadrado. Bem melhor o passe aos 35’ que isola André Silva no lance do penálti. A espaços teve lances bem desenhados, mas o FC Porto ontem precisava de maior objetividade e, sobretudo, de chegar mais rápido à área.

Corona 6

Foi o jogador que mais bolas meteu na área e que mais profundidade deu ao jogo. Só não rematou… Aos 31’, deixou André Silva isolado. Notou-se a preocupação de não abusar dos lances individuais.

Otávio 4

Não teve uma noite feliz em todos os aspetos. Saiu lesionado perto do intervalo, sem que tenha produzido qualquer ocasião de perigo. Definiu mal alguns lances, cruzou torto e, antes de sair, tentou fintar dois adversários em zona proibida, deixando o Dragão à beira de um ataque de nervos.

André Silva 4

O FC Porto quebrou o jejum de golos, mas André continua em branco – há cinco jogos que não fatura – e desta vez até falhou um penálti. Se em Brugge não vacilou, ontem permitiu a defesa do guardaredes. Aliás, mesmo em lances em que surgiu na cara de Marafona não foi feliz. De cabeça, com os pés sempre o mesmo destino: as luvas do quase intransponível guardião minhoto. Onde pára o instinto goleador?

Jota 6

Fica ligado à vitória pelo passe fenomenal que fez para isolar Rui Pedro. Antes, teve um golo anulado.

Brahimi 6

Entrou frio – tanto que esteve a aquecer no intervalo – mas com muita vontade de desatar o nó. Rematou cinco vezes, cruzou ainda mais e enviou um livre às malhas superiores. Desta vez, Nuno socorreu-se dele logo à primeira.

Herrera 5

Teve um golo anulado aos 89’, por fora de jogo, numa recarga. Entrou no quarto de hora final para ajudar a encostar ainda mais o Braga às cordas.

FONTE/ OJOGO