FC Porto um a um : O “homem invisível” apareceu para resolver

A FIGURA Danilo: 8 Passou das ameaças aos atos

O desvio que traiu Casillas e permitiu a Rafael Lopes ser o primeiro a festejar parecia querer indicar uma noite azarada para o médio. No entanto, foi ele quem terminou o encontro com um sorriso bem rasgado. E de uma forma bem merecida pelo trabalho muitas vezes invisível que voltou a realizar, não só na recuperação da bola, como no lançamento do ataque. Depois das várias ameaças nos últimos jogos – ontem, voltou a ter dois remates por cima –, estreou-se a marcar esta época numa ação que prometera tentar mais vezes: o remate de fora da área. Foi um presente antecipado para ele… e para os adeptos.

Casillas 8

Traído por um desvio de Danilo no golo do Chaves, manteve a equipa na discussão do resultado com três defesas: aos 34’, voou para afastar o remate de cabeça de Freire; cinco minutos depois, travou o disparo de fora da área de Braga e, na segunda parte, voltou a lançar-se para evitar os festejos de Perdigão. Há muito que não tinha um jogo com tanto trabalho.

Maxi 7

Foi um dos principais impulsionadores do assalto à baliza flaviense, esticando o futebol da equipa pelo flanco, de onde tirou vários cruzamentos, quase sempre para André Silva. Não facilitou a defender.

Felipe 6

A troca de chuteiras (27’) surgiu tarde para evitar a escorregadela no início da jogada do golo do Chaves, mas o central reergueu-se e fez de tudo para se reerguer. Assistiu André Silva num dos lances polémicos do jogo e, aos 62’, teve uma arrancada maradoniana que só foi travada em falta.

Marcano 5

A ânsia de querer meter a bola na baliza fê-lo pontapear a atmosfera por duas ocasiões, numa altura em que já tinha sido amarelado por protestos. Na primeira parte perdeu de vista Freire e Braga e Casillas teve de intervir. Na parte final, porém, não deu abébias.

Alex Telles 7

Nada perturbado pelo amarelo visto por travar um ataque perigoso dos flavienses, dinamizou o flanco esquerdo com as suas arrancadas e tirou dois cruzamentos que roçaram a perfeição. O segundo resultou mesmo no golo do empate.

Óliver 7

Só se soltou do colete de forças em que os flavienses o envolveram a partir do intervalo, mas ainda foi a tempo de ajudar na reviravolta. Podia, inclusive, ter vestido a pele de herói se não fosse a teimosia para recusar o remate (e fê-lo por duas vezes). Saiu aos 83’ após arranjar a bola no golo de Danilo.

Corona 5

Tentou, uma e outra vez, virar o tabuleiro a seu favor, mas foram mais as vezes em que falhou no um para um do que o inverso. Teve, ainda assim, um disparo forte que António Filipe afastou.

Brahimi 6

Foi o elemento mais irreverente do ataque enquanto teve frescura física e procurou várias vezes o remate. Quando o cansaço apareceu, contudo, começou a agarrarse à bola e foi muito fustigado com faltas.

Diogo Jota 5

Só se deu por ele no relvado quando teve espaço para sair em velocidade e em dois remates de cabeça que saíram para fora. Foi dos que acusaram mais o cansaço e, por isso, saiu, aos 64’.

André Silva 7

Precioso no auxílio que deu à defesa nos minutos iniciais, tudo fez para esticar a série de jogos consecutivos a marcar e até chegou a introduzir a bola na baliza de António Filipe. O lance, porém, foi anulado pelo auxiliar. Os restantes foram travados pelo guarda-redes e pelo poste.

Depoitre 7

Melhor regresso à competição era impossível. Fez o empate no único remate que efetuou e no resto do tempo entregou-se de corpo e alma na luta pela bola.

Rúben Neves 5

Saltou do banco para ajudar a segurar a vantagem e, pouco depois, deu o corpo a um remate de Rafael Assis. Missão cumprida.

João Carlos Teixeira 5

Viu a entrada adiada pelo golo de Depoitre e foi importante na parte final a segurar a bola.

Fonte: Ojogo