Fernando Gomes admite transferências em janeiro

ASSEMBLEIA GERAL Administrador com o pelouro das finanças reconheceu, perante os sócios, a necessidade de vender jogadores no mercado de inverno. Pinto da Costa reforçou confiança

“Telefonei a Angelino Ferreira. Não veio porque é um covarde”
Pinto da Costa
Presidente do FC Porto

Pinto da Costa a apelar à união. Rúben Neves também teve proposta para sair no verão. Fernando Gomes repetiu aposta desportiva em vez do equilíbrio imediato das contas

Dupla já havia explicado os prejuízos aos jornalistas e agora reafirmou as contas más, mas como opção assumidaO FC Porto poderá ser obrigado a vender um ou mais ativos na reabertura do mercado de inverno. Isso mesmo foi admitido, ontem à noite, aos sócios do clube, por Fernando Gomes, o administrador da SAD com o pelouro das finanças, que revelou ainda ter chegado uma proposta por Rúben Neves no defeso de verão, como O JOGO deu conta em devida altura. Por isso, explicou, o encaixe que a sociedade podia ter feito ascendia a mais de 120 milhões de euros, juntando ao jovem médio as ofertas por Danilo, André Silva e Herrera, que Fernando Gomes e Pinto da Costa já tinham assumido publicamente.

Numa assembleia geral sem momentos de tensão, ao contrário do que sucedeu em março, os associados manifestaram, sobretudo, o seu desagrado pelas contas negativas e pelos insucessos da equipa de futebol. No final, Pinto da Costa apelou à união de todos os portistas, reconheceu que as contas estão más, prometendo fazer os possíveis para as reverter. Voltou ainda a criticar alguns comentadores de programas televisivos e chamou “covarde” a Angelino Ferreira, porque lhe telefonou a convidar para assistir à AG, isto na sequência de uma entrevista do antigo administrador ao “Expresso” em que, entre outras coisas, considerou “discutível a política de comissões da SAD”. Porém, “apesar de estar perto”, disse Pinto da Costa, o ex-dirigente não compareceu. O presidente portista manifestou ainda vontade de vencer o clássico contra o Benfica, insistindo na necessidade de os sócios estarem todos unidos contra as adversidades.

Nesta AG, os sócios portistas aprovaram por maioria o Relatório e Contas Individuais e o das Contas Consolidadas do FC Porto referentes a 2015/16, que apresentaram prejuízos de 11,6 milhões de euros e 50,4 milhões, respetivamente. Dos 235 associados presentes – cerca de metade da última vez – 159 votaram a favor, 56 optaram por se abster e 20 manifestaram o seu desagrado, votando contra. “Agradeço a confiança que a grande maioria deposita na fidelidade destes números e na esperança da sua melhoria”, concluiu.

FONTE/ OJOGO