Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Francisco J. Marques: «Claques do Benfica só estão sob a alçada da UEFA»

Em mais uma edição do Universo Porto da Bancada, no Porto Canal, o diretor de comunicação do FC Porto voltou a atacar, na noite desta terça-feira, aquilo que chama de “regime de exceção”, referindo-se neste caso ao tratamento que é dado às claques do Benfica.

Lembrando a tocha com que os adeptos encarnados feriram uma criança, em Madrid, no jogo frente ao Atlético, bem como o caso do very light do Jamor, Francisco J. Marques passou ao ataque. “As claques do Benfica só estão sob a alçada de uma entidade, que é a UEFA. Em Basileia, na semana passada, houve novos problemas e a UEFA abriu um procedimento disciplinar. Aqui nunca se sabe nada. Em abril, um adepto morreu, não pode haver coisa pior”, disse o diretor portista, referindo-se a Marco Ficini, adepto italiano do Sporting, que foi morto antes do dérbi de Lisboa, por apoiantes do clube rival.

“O IPDJ acusou o Fernando Madureira de incentivo ao ódio e à violência, por causa do lamentável cântico alusivo à Chapecoense. O Fernando Madureira incorre de uma acusação que pode levar a dois anos de interdição de entrada em recintos desportivos. Há que fazer a comparação entre isso e o que acontece às claques ilegais do Benfica, que causam fatalidades”, alertou Francisco J. Marques, prosseguindo depois assim: “Continuamos a viver num regime de exceção, em que tudo é permitido à claque do Benfica. E depois temos o IPDJ a querer responsabilizar o Fernando Madureira por um cântico que não foi da autoria da claque. Enquanto houver diferenças de tratamento, isto não é desporto. O IPDJ tem o dever de prestar esclarecimentos públicos. As autoridades desportivas e de segurança, o Governo, a Secretaria de Estado… alguém tem de fazer alguma coisa.”

A terminar, Francisco J. Marques fez notar que, para resolver esta questão das claques ilegais, a solução poderá passar por castigos de “jogos à porta fechada, caso houvesse coragem das autoridades para impor o cumprimento das leis”.

 

Autores: Nuno Barbosa e Rui Sousa

4 Comments

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *