Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Francisco J. Marques, diretor de Comunicação e Informação “O monstro mora na luz ”

Diretor de Comunicação dos dragões acusou o Benfica de ter arquitetado um sistema que controla o curso das competições, falseando-as

O Conselho de Arbitragem foi criticado pela forma como tem passado árbitros sem experiência competitiva a internacionais, com consequências inevitáveis para as respetivas competições internas e não só

Francisco J. Marques, Diretor de Comunicação e Informação do FC Porto, apontou o dedo ao Benfica, acusando o emblema da Luz de estar a controlar a arbitragem do futebol português. “Foi criado um monstro que controla tudo isto”, apontou no programa do Porto Canal “Universo Porto da bancada”, enumerando vários casos de árbitros que passaram a internacionais, “atropelando” até algumas normas da FIFA, começando por concentrar-se nos casos dos que conduziram os jogos recentes do FC Porto. “Pergunto o que fez Luís Godinho para ser internacional? Arbitrou 14 jogos do campeonato português. É muito pouco. Desses jogos, nenhum, até saber que era internacional, foi dos três principais clubes, jogos de maior exigênciaepressãoparaoárbitro”, explicou.

Francisco J. Marques apontouaindaoexemplodeJoãoPinheiro, que arbitrou o jogo do FC Porto em Setúbal, para o campeonato, partida em que os dragões não calaram a indignação com os erros cometidos e as suas consequências na classificação, que dizem “falseada”. “João Pinheiro, também é internacional e chegou a internacional depois de apitar dois jogos. O problema aqui é o método”, sublinhou. “Mas há mais casos: Tiago Martins apitou dois jogos para ser internacional. Não é sério. O Fábio Veríssimo apitou cinco. É vergonhoso. Este monstro foi criado para controlar a arbitragem, controlando o curso das competições. Quem fez isto foi o Benfica, não tenham duvidas”, acusou o Diretor de Comunicação e Informação do FC Porto.

Expostos estes casos, Francisco J. Marques questionou a atitude da APAF e do Conselho de Arbitragem (CA) da FPF, num processo em que destacou “a falta de rigor em relação às faltas cometidas contra o FC Porto, que não são tratadas de forma igual às das outras equipas”. Citando um artigo de Fontelas Gomes, presidente do CA, ao jornal Público, do passado mês de dezembro, Francisco J. Marques acusou o presidente do CA de querer intimidar os dirigentes ao pedir o agravamento de sanções disciplinares pelos comportamentos recentes: “Querem impor uma lei do silêncio, mas o senhor Fontelas Gomes não pode ameaçar os agentes desportivos por denunciarem os erros que os árbitros cometem e depois não olhar para dentro de casa”.

Depois da análise às imagens do lance sobre André André, no qual o FC Porto reclama penálti Francisco J. Marques foi mais longe pedindo explicações ao presidente do CA, estranhando ainda o silêncio de Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), antes de pegar nas declarações de Luciano Gonçalves, presidente da APAF, que criticou os jogadores do FC Porto: “Reconheceu que houve erros, mas depois há coisas que não pode dizer ao referirse claramente a Danilo, perguntando como é possível que os jogadores tenham comportamentos que não são dignos de um campeão da Europa”.

Seguiu sexta reclamação para o CA

Um dia depois do jogo em Moreira de Cónegos, o FC Porto enviou uma reclamação para o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol apontando erros ao trabalho da arbitragem liderada por Luís Godinho. Trata-se da sexta exposição que o FC Porto faz esta temporada, com o clube a apontar uma série de erros, com destaque para um penálti sobre André André e para a expulsão de Danilo.

PEDIDA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO

O FC Porto entende que a verdade desportiva tem sido colocada em causa e apela à intervenção de João Paulo Rebelo. “O secretário de Estado tem obrigação de vir dar explicações e responder se acham que as competições estão a decorrer com verdade desportiva, o que não tem acontecido”, criticou Francisco J. Marques, diretor de Comunicação e Informação do FC Porto.

“JOÃO PINHEIRO É CONHECIDO POR MOSTOVOI”

João Pinheiro, árbitro dos jogos com o V. Setúbal (I Liga) e o Feirense (Taça da Liga), foi criticado pelos dragões. “O João Pinheiro é conhecido desde criança por Mostovoi, porque é adepto do Benfica. Tem todo o direito de ser adepto do Benfica, não tem é o direito de prejudicar sistematicamente o FC Porto”, acusou Francisco J. Marques, diretor de Comunicação e Informação do FC Porto.

Árbitros sem experiência

PROMOÇÃO Têm de ter menos de 35 anos para serem internacionais

Luís Godinho recebeu as insígnias da FIFA em novembro de 2016, quando só tinha cumprido 14 jogos na I Liga. Tinha apenas 29 anos e praticamente sem experiência ao mais alto nível no principal escalão do futebol português

Árbitros com mais jogos na 1.ª categoria, como Manuel Oliveira, Rui Costa ou Vasco Santos ficaram impedidos de ter insígnias da FIFA por ultrapassarem a idade permitida

Luís Godinho expulsou Brahimi e DaniloLuís Godinho, o árbitro do jogo entre o Moreirense-FC Porto, chegou à 1.ª categoria com apenas 29 anos e praticamente sem experiência ao mais alto nível. A promoção ao principal escalão da arbitragem aconteceu na temporada de 2015/16, quando só tinha feito 14 jogos na I Liga, tendo recebido as insígnias da FIFA em novembro de 2016. Luís Godinho, assim como outros árbitros, foi promovido a internacional ainda muito jovem, o que só acontece porque atualmente um árbitro não pode ter mais do que 35 anos para receber pela primeira vez as insígnias da FIFA. É por esta razão que têm sido promovidos a internacionais árbitros como João Pinheiro, de Braga, Tiago Martins, de Lisboa, Fábio Veríssimo, de Leiria, ou Luís Godinho, de Évora. Juízes como Manuel Oliveira, Vasco Santos ou Rui Costa já não têm, por isso, condições para atingir o mais alto patamar da arbitragem, levando, por isso, o Conselho de Arbitragem da FPF optar por alguns jovens e sem experiência. A saída de árbitros como Olegário Benquerença, Duarte Gomes ou Pedro Proença obrigou o anterior presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, Vítor Pereira a fazer a necessária renovação com árbitros menos experientes. Houve mesmo dois casos de árbitros que foram promovidos a internacionais e, pouco tempo depois, desceram de categoria, como aconteceu com Marco Ferreira, da Madeira, e Sérgio P is carreta, do Algarve.

Jorge Coroado

Quando os líderes são fracos, as tropas não correspondem. O FC Porto não diverge muito em relação ao que tem acontecido com outros como Nacional, V. Guimarães, ou Rio Ave. O quadro atual de árbitros da primeira categoria tem pouca experiência. Descaracterizou-se a categoria de internacional, antes chegava-se lá por mérito, agora é por quota. O CA entende que é um prestígio ter árbitros com insígnias da FIFA, mas não se preocupa se têm competência e o que se verifica é que não.

José Leirós

arbitragem portuguesa está em crise. Não há o equilíbrio do passado em que os erros eram repartidos. Os erros têm sido sucessivos contra o FC Porto e são factos. As pessoas justificam-se com “o FC Porto que jogue” e com isso admitem os erros. A arbitragem vinha sendo mal gerida e agora está a sofrer as consequências de ter um líder que não é líder. Para o Braga-Covilhã nomearam o Jorge Sousa, um dos melhores da Europa, e para Moreira de Cónegos um árbitro que ninguém viu a fazer nada…

Fortunato Azevedo

O FC Porto tem fortíssimas razões de queixa. São muitos erros com influência direta no resultado. Escolheram um árbitro quase sem prática, sem tarimba para arbitrar jogos deste nível. Antes passávamos por muitos jogos difíceis até sermos internacionais, hoje não dão tempo para adquirir o traquejo necessário. Não vejo perseguição, mas alguns árbitros precisam de se libertar do preconceito em relação ao FC Porto, como o excesso de zelo de não querer errar a favor do FC Porto.

Fonte: Ojogo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *