Hoje é dia de final da Premier League International Cup! Recorde o percurso trilhado pelo FC Porto B

Reino unido

De Liverpool a Sunderland, conheça ao pormenor o percurso do FC Porto B até á final da Premier League International Cup

 

Por Alberto Barbosa

Atingir a final, sofrendo apenas um golo ao longo de um percurso de quatro jogos em Inglaterra e, mais recentemente, outro em Gales, não foi canja mas parece. À trajetória dos Dragões, que deixaram para trás Liverpool, Leicester, Wolfsburgo, Manchester United e Swansea, os ingleses chamariam a piece of cake, uma tarefa fácil ou tornada fácil, mas ao bolo de que fala a expressão britânica continua a faltar a cereja no topo. Falta vencer o Sunderland e levantar a taça, a Premier League International Cup, que há dois anos escapou por pouco.

O FC Porto B não é só a única equipa a chegar à final por duas vezes em três anos de competição para equipas Sub-23, criada pela Premier League em 2014. Os azuis e brancos distinguem-se também pelo facto de só eles terem atingido as meias-finais nas três edições da Premier League International Cup, superando Athletic Bilbau (2015), Benfica B (2016) e Manchester United (2017) nos “quartos” da competição. Formam também a equipa que mais pontos somou desde a estreia da prova: 32 no total, entre jogos da fase de grupos e da fase a eliminar.

Galeno fez, de pé direito, o golo que derrotou o Swansea e que colocou o FC Porto B na final. Decorria o minuto 64 do jogo no Liberty Stadium. Após o encontro da meia-final e ainda em Gales, o brasileiro, “muito feliz por ter ajudado a equipa”, destacava o “grande jogo” coletivo e prometia “trabalhar bem” para repetir a exibição na final, no regresso a Inglaterra.

Ismael Díaz é o melhor marcador do FC Porto B na prova. No jogo dos quartos de final, o panamiano só precisou de quatro minutos para fazer os dois golos da vitória sobre o Manchester United, orientado por Nicky Butt, um histórico dos “red devils” que como jogador ganhou oito Ligas de Inglaterra, uma Liga dos Campeões e uma Taça Intercontinental. Na época passada, no percurso até às meias-finais, Ismael marcou três vezes, mas sem nunca bisar: ao Everton, ao Schalke 04 e ao Villarreal.

Brooks Lennon marcou ao FC Porto B na atual edição da Premier League International Cup. O avançado norte-americano, entretanto cedido pelo Liverpool ao Real Salt Lake, da liga norte-americana (MLS), fez o golo do empate no Prenton Park, depois de Omar Govea ter colocado os Dragões em vantagem na primeira jornada do Grupo C. Os azuis e brancos são a equipa menos batida.

“Faltaram-nos muitos jogadores”. A análise de António Folha ao jogo de Swansea, onde foi forçado a mudar mais de meia equipa, começou assim, com um desabafo. Naquela tarde de 5 de março faltaram-lhe Francisco Ramos, Fernando Fonseca, Rui Pedro, Rui Pires, Bruno Costa e Jorge Fernandes. Até estreou Oleg a lateral esquerdo. “Mas estes, os que jogaram, foram brilhantes”, observou. “Tiveram uma grande atitude, superaram-se e mereceram estar na final”. Mais ainda depois de uma viagem de sete horas, entre o Porto e Swansea, que impediu a equipa de treinar no relvado do Liberty Stadium na véspera do jogo. Depois do voo de duas horas para Londres, o trânsito na M4, a autoestrada que liga a capital inglesa a Cardiff e a Swansea, transformou o percurso de 300 quilómetros numa penosa deslocação de cinco horas. Foi por isso que o treinador falou numa “viagem de longa duração”.

O Sunderland chega à final com um percurso em tudo idêntico ao do FC Porto: terminou a fase de grupos na primeira posição, também com sete pontos, venceu o adversário dos quartos de final (Athletic Bilbau) por 2-0 e ganhou a meia-final por 1-0 frente ao Norwich. Marcou oito golos, tantos como os conseguidos pelo FC Porto B, mas sofreu mais dois (3). Tem a vantagem de fazer o jogo em casa, no Stadium of Light, que em português quer dizer precisamente Estádio da Luz.

O sueco Joel Asoro é o melhor marcador do Sunderland: fez três golos ao longo de todo o percurso na prova, incluindo o da vitória na meia-final, frente ao Norwich. O avançado, de apenas 17 anos, já disputou um jogo da Liga Inglesa, um da Taça de Inglaterra e dois da Taça da Liga. No plantel principal, orientado pelo escocês David Moyes, Asoro conta com a concorrência do veterano Jermain Defoe, uma lenda do Tottenham e do West Ham, que tem o dobro da idade do sueco (34) e 16 golos marcados.

O FC Porto jogou a final da primeira edição e o Manchester City ganhou-a. Assim mesmo. A 8 de maio de 2015, na Academia do City, em Manchester, os azuis e brancos dominaram, criaram um sem número de oportunidades de golo, mas foram os “blues” que levantaram a taça. Marcou o nigeriano Kelechi Iheanacho (hoje opção de Pep Guardiola no plantel principal do City), logo aos quatro minutos, depois de um mau atraso de Igor Lichnovsky.

O PERCURSO

GRUPO C, 1.ª JORNADA
Liverpool-FC Porto, 1-1
Brooks Lennon (65’); Omar Govea (49’)

GRUPO C, JORNADA 2
Leicester-FC Porto, 0-2
Inácio (55’) e Palmer-Brown (81’)

GRUPO C, JORNADA 3
FC Porto-Wolfsburgo, 3-0
Francisco Ramos (39’), Areias (44’) e Kayembe (58’)

QUARTOS DE FINAL
Manchester United-FC Porto, 0-2
Ismael Díaz (65’ e 69’)

MEIAS-FINAIS
Swansea-FC Porto, 0-1
Galeno (64’)

Texto publicado na edição de abril de 2017 da Dragões, a revista oficial do FC Porto.

Fonte: FC Porto