Layún fora da lista e Fernando dentro

Com Maxi castigado, Nuno Espírito Santo optou por chamar lateral-direito da equipa B

O jovem da formação até pode nem se estrear, mas deu um passo firme no sentido de um dia concretizar a ambição de ficar com a mítica camisola 2, de João Pinto e Maxi Pereira, duas das suas referências

Layún está definitivamente fora das contas de Nuno Espírito Santo, que não só deixou de o convocar nas últimas cinco semanas, como agora repete a opção numa semana em que Maxi Pereira está castigado. Sem nenhum outro lateral de raiz no plantel, Fernando Fonseca entrou na lista para a Madeira. O lateral da equipa B (28 jogos) vê-se assim mais próximo da estreia na equipa principal, um sonho que alimenta desde menino. Já havia sido chamado em dezembro, mas para um jogo de Taça da Liga. Não saiu do banco…

Ao contrário da maioria dos jovens da sua idade, Fernando não tem Messi ou Ronaldo como ídolos, mas antes João Pinto, o precursor da mítica camisola 2 azul e branca, e Javier Zanetti, o argentino que fez carreira no Inter até aos 40 anos, e jogador que mais se habituoua admirar. Com 20 anos, o lateral esteve sempre em destaque nas várias equipas por onde passou desde que, em 2009, chegou aos infantis do FC Porto. No final das épocas, todos os treinadores que o tiveram nas mãos assinaram a promoção “sem reservas”, o que significa que ninguém teve dúvidas de que o jogador se destacaria na temporada e no escalão seguinte.

A entrada na equipa B, por aprovação de António Folha e Luís Castro foi, também, unânime. E nessa altura nem poderia ter sido de outra forma. Semanas antes, o jogador fora

convocado com enorme surpresa para os Jogos Olímpicos do R iode Janeiro. Sem qualquer internacionalização pelos sub -21 ou, sequer, pelos sub-20, o lateral entrou na lista dos sub-23, desfalcada de dezenas de jogadores, é certo, mas com mérito. É que, antes disso, Fernando foi chamado, juntamente com outros sete jogadores, para ajudar os 18 convocados a prepararem-se. A lesão de Sturgeon obrigou Rui Jorge a escolher um substituto e, com surpresa, o lateral foi o eleito para o lugar de um extremo. Dias depois, a surpresa foi maior: titular e um dos melhores em campo na estreia (2-0) contra a Argentina. Ninguém sabia quem Fernando era, mas hoje o nome já soa a craque. Rui Jorge não voltou a abdicar dele e talvez por fazer parte do plano para o Europeu de sub-21 não tenha sido chamado ao Mundial de sub-20.

Numa entrevista de verão ao Mais Futebol, Fernando assumiu ser daquele ti pode jogador “de raça, que não faz uma finta” e definiu a estreia no Dragão, pela equipa principal, como meta. Se acontecer na Madeira, não se importará muito. E fará uma tatuagem para o assinalar. Já tem 17, uma por cada momento importante da sua vida, algumas acompanhadas por frases em que se revê. “Nunca desistir” ou “Chegar, ver e vencer” são duas delas.

Fonte: FC Porto