Mais em três meses do que em três anos

Somou a oitava assistência da época e só começou no início de novembro. Desde que chegou à Europa havia feito seis… no total

Trouxe fama de lateral ofensivo do Brasil e mostrou-se desde o Galatasaray. Contudo, nem na Turquia nem em Itália conseguiu dar sentido prático aos predicados anunciados

Alex Telles está na melhor forma desde que chegou ao FC Porto, em julho de 2016Foi com um passe a rasgar a defesa do V. Guimarães que Alex Telles ofereceu a Diogo Jota o 0-2 que confirmou o triunfo portista em Guimarães. O avançado agradeceu de pronto ao brasileiro. O lateral acabara de somar mais uma assistência, desta feita num invulgar movimento interior, que junta ao baralho como mais um trunfo para decidir. Antes, já havia oferecido golos de cruzamento, de livre indireto e de pontapé de canto. Em Guimarães mostrou o quarto naipe de um baralho de soluções múltiplas que cada vez convence mais os portistas.

Curiosamente, o melhor assistente da equipa só começou a carburar a este nível há pouco mais de três meses. Foi no início de novembro, contra o Brugge, que Alex se estreou a oferecer golos. Nessa altura fê-lo de canto, paraAndré Silva. O FC Porto venceu por 1-0. O brasileiro demorou um mês para registar nova oferta. Depois, apanhou-lhe o gosto e, só em dezembro, foram três. Janeiro também foi profícuo, mas às custas de um só jogo: contra o Rio Ave fez hat trick de passes para golo e bateu um recorde pessoal: nunca na carreira havia feito tanto em tão pouco tempo. Mas há outro recorde: em pouco mais de três meses fez mais assistências (oito) do que nas três épocas anteriores na Europa. Na primeira, pelo Galatasaray, só ofereceu dois golos. Na segunda, também na Turquia, fez um passe para golo. No Inter, em Itália, as coisas correram melhor: três ações que valeram golo à sua equipa. Em Portugal está claramente a superar-se e o FC Porto agradece. Além de golos e pontos,Alexvalevitórias.Qual talismã, o brasileiro soma por vitórias todos os jogos em que interveio diretamente no resultado. Os lances e os destinatários dos passes milimétricos estão descritos na coluna ao lado. A título de curiosidade, só mesmo André Silva recebeu a dobrar. E Diogo Jota estreou-se na lista de beneficiários, que vai dos centrais a Depoitre. E, no caso do belga, marcar tem sido coisa rara.

Palito à mercê, mas Layún muito longe

Alex Sandro fez cinco assistências na melhor época. Álvaro Pereira fez nove. O mexicano… 18

Alex Telles aparece no onze do FC Porto numa linha cronológica de laterais-esquerdos que convenceram o tribunal do Dragão e saíram com honra, glória e títulos. Branco e Alex Sandro são os dois brasileiros mais famosos desta “linhagem”, mas também o uruguaio Álvaro Pereira e o mexicano Layún (que agora perdeu o lugar) somaram épocas fantásticas. Ao nível das assistências, porém, quase todos ficaram atrás do que agora o brasileiro está a fazer.

Alex Sandro não ofereceu qualquer golo na época de estreia, mas também só fez dez jogos, tapado que estava por Álvaro Pereira. Depois, fez quatro em 2012/13, quatro em 2013/14 e cinco no ano da despedida, com Julen Lopetegui no comando técnico da equipa. O antecessor, Álvaro Pereira, era mais profícuo a esse número.Estreou-secomseispasses para golo, deu sequência com nove na segunda época e saiu com quatro. Alex está a uma assistência de igualar o melhor do uruguaio. E ainda tem três meses para o conseguir…

Depois, há Layún, mas aos 18 passes decisivos que o mexicano fez em 2015/16 já é mais difícil chegar. O mexicano estabeleceu um verdadeiro recorde europeu para lateraisesquerdos, mas nem isso lhe valeu para manter o lugar com a chegada de Nuno Espírito Santo. O treinador que substituiu José Peseiro prefere outro tipo de dinâmica e sempre quis um jogador esquerdino na posição, para que se pudesse projetar pela linha lateral até à linha de fundo. Por sorte encontrou um que, além disso, também sabe oferecer golos. A seleção brasileira está atenta. Sylvinho, o adjunto de Tite, conhece-o bem do Inter de Milão…

Fonte: Ojogo