Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Novas regras no FC Porto

Sérgio Conceição já impôs regras novas no FC Porto

Trabalho tático fica para depois. Na primeira semana, com muitos dos jogadores ainda indisponíveis, o treinador insistiu no trabalho físico e na ordem para marcar. Além disso, valorizou os exercícios de grupo que podem reforçar o bom ambiente.

Sérgio Conceição deu esta segunda-feira início à segunda semana de trabalho e intensificou processos de treinos que a primeira não permitiu aprofundar, por uma série de limitações, que vão desde o número de jogadores à disposição à realização de exames médicos durante os dois primeiros dias da mesma e até por causa do cansaço muscular típico de quem regressa de férias.

Numa semana o treinador não conseguiu mudar tudo, mas também não era esse o propósito, a julgar pela entrevista que ainda há dias concedeu à revista “Dragões”. Mas já deixou marca no Olival e junto do grupo. As dinâmicas do FC Porto 2017/18 são diferentes das de 2016/17, essencialmente a quatro níveis: a blindagem do espaço de treino e do balneário, a energia que o treinador coloca em todos os momentos, o tipo de trabalho efetuado e o ambiente que tem conseguido criar. Se melhor ou pior, só os resultados poderão julgar. Mas o FC Porto está diferente.

O último dos pontos é, porventura, o menos importante nesta fase. Isto porque a capacidade de formar um balneário forte, unido e solidário só se poderá medir quando (e se) as coisas correrem mal. Nos primeiros dias o ambiente é, por norma, ótimo em todos os clubes. Mas Sérgio não tem deixado nada ao acaso e promove repetidamente brincadeiras entre todos e, mais importante, exercícios em que o mal de um é o mal do plantel, para que todos se ajudem e percebam que o mais importante é a equipa. O espírito de grupo é, por esta altura, excelente. E o técnico promete continuar a esforçar-se para que nada mude neste âmbito.

Trancas na porta e plantel blindado

A blindagem do plantel também é evidente. Sérgio Conceição nunca escondeu, sequer, ser essa uma prática de que não abdica. Em Braga, por exemplo, chegou a fechar o balneário a António Salvador. No Olival não chegou a tanto, mas os treinos são agora vistos por menos gente. Só mesmo equipa técnica, técnicos de equipamentos, Pinto da Costa, Luís Gonçalves e qualquer elemento que seja, a determinado momento, imprescindível para que o treino tenha qualidade. A comunicação do clube – entre diretores, assessores e Porto Canal – tem passado mais tempo longe, os seguranças também. Anteontem, por exemplo, só presidente e diretor-geral assistiram ao jogo-treino com a Académica.

Marcar, marcar, marcar

Quanto ao treino, o treinador tem dedicado a maior parte do tempo à finalização e à elaboração de mecanismos que proporcionem boas situações de finalização. O trabalho tem sido feito em microssectores, sem envolvência tática geral. Estamos a referir-nos, por exemplo, à dinâmica de linhas e à envolvência entre lateral, médio e extremo do mesmo lado ou a exercícios que promovem a sintonia defensiva. Além disso, o técnico meteu muita carga física sem retirar bola. Sérgio acredita que a tática é para ser trabalhada mais tarde, quando o grupo estiver completo ou perto disso. Nesta fase, a sua principal preocupação é a observação individual e a promoção de dinâmicas a dois/três jogadores que, depois, se possam esticar a todo o campo.

Por fim a abordagem do treinador às sessões de trabalho. Sérgio tem sido muito interventivo e exige aplicação máxima em todos os momentos, em contraste com Nuno, que assumia sempre uma postura mais observadora. A postura também será o tempo a julgar, mas o choque para os jogadores foi grande, depois de uma temporada com um treinador bem mais discreto.

Esta segunda semana de trabalho termina na sexta, porque no sábado a equipa viaja para o México para defrontar Cruz Azul e Chivas.

Fonte: FC Porto