Nuno já converteu Brahimi

Médio encaixou a ideia do treinador e apareceu em grande com Leicester e Feirense. Está mais solidário a atacar e até os números provam que ajuda muito a defender

Imprensa argelina está entusiasmada com a subida de forma do médio a cerca de um mês do arranque da Taça de África das Nações

Ausência em quatro jogos consecutivos – num deles nem foi convocado – despertou o argelino, que fez mais nos últimos dias do que no resto da época. Há mais de um ano que não marcava em jogos seguidos

Se acha que Brahimi está um jogador diferente daquele que começou a temporada no FC Porto, não está enganado. As mudanças notam-se à vista desarmada e os números que apresentamos na infografia desta página só as suportam. O internacional argelino converteu-se à ideia de jogo que Nuno Espírito Santo criou para os dragões e explodiu paraexibições da épocana rece çãoao Le ices ter( Ligados Campeões) e Feirense (I Liga). Mais solidário no ataque, mais altruísta e, principalmente, mais voluntarioso nas ações defensivas. A ausência de Otávio (lesionado) pode ter-lhe aberto as portas da titularidade, mas a continuidade no onzeéo resultado do reconhecimento de que não valia a pena contrariar o sistema.

A mudança de postura de Brahimi verificou-se após uma sequência de quatro jogos em que não foi opção. No último, na deslocação do FC Porto a Copenhaga (Champions), o argelino nem sequer foi convocado por Nuno Espírito Santo, uma vez que taticamente não cumpria com o que o treinador exigia. Nesse mesmo dia, porém, publicou uma fotografia nas redes sociais a trabalhar no Olival, dando um sinal de inconformismo e vontade de entrar nos eixos. Os encontros com o Belenenses e o Braga (segunda parte) já revelaram um Brahimi menos individualista, a combinar mais com os companheiros quando tem um adversário pela frente, a meter o pé, a fechar o flanco e a reagir melhor à perda da bola, mas foi com o Leicester e o Feirense que conseguiu ser mais efetivo.

Argelinos rejubilam com a subida exibicional

A melhoria de Brahimi verificou-se em quase todos os parâmetros estatísticos. Inclusive naqueles em que o médio até já era forte, como o drible.

A eficácia do passe subiu ligeiramente, os duelos ganhos também e até os golos apareceram: dois em outros tantos jogos. Aliás, há mais de um ano, quando marcou ao Tondela e ao União da Madeira, que o número 8 não conseguia feito semelhante. É no capítulo defensivo, contudo, que a subida de produção do internacional argelino mais impressiona. Está mais faltoso do que no começo da época, devido à pressão que tem exercido na saída de bola do adversário, e até a média de recuperações de bola é incomparavelmente superior. Em Santa Maria da Feira foi mesmo o portista com mais desarmes a par de Felipe (cinco). Se o golo de calcanhar ao Leicester já havia merecido amplo destaque na Imprensa argelina, a confirmação da subida de forma de Brahimi fê-la carregar nos elogios ao portista. A cerca de um mês do arranque da Taça de África das Nações, o “Le Buteur” ou o “Foot Algerien” acreditam mesmo que o médio poderá fazer a diferença na prova. Até lá é Nuno quem o vai aproveitar.

Fonte: Ojogo