Óliver joga mais mas sai sempre

O espanhol não faz 90 minutos desde 7 de dezembro. Foi rendido em mais de metade dos jogos

Apesar de já ser habitual sair, o médio nunca tinha feito tantos minutos nas outras épocas. Falta-lhe, porém, mais ações decisivas: só dois golos. Na primeira passagem tinha seis e cinco assistências

Óliver já completou 1933 minutos na presente temporada Cedido: Atlético de Madrid emprestou-o até dezembro de 2017. Opção é de compra de 20M€

Óliver não termina um jogo desde que o FC Porto goleou o Leicester, a 7 de dezembro do ano passado. Desde então,omédioespanholfoisubstituído em oito partidas e entrou nos minutos finais de outra. Nuno tem procurado gerir com pinças o estado físico do segundo médio com maior utilização no plantel, atrás do “comendador” Danilo. De tal forma, que saiu em mais de metade dos jogos que fez a titular: 15 dos 23 em que foi chamado ao onze. E não acabou os últimos cinco…

Ainda assim, Óliver está a jogar mais tempo do que em qualquer as outras temporadas, mas tem rendido menos. Estranho? São os números que os dizem. Nunca o espanhol tinha chegado a esta altura da temporada – 1 de fevereiro – com tantos minutos nas pernas como agora (1933’, distribuídos por 26 jogos), mas só teve participação direta em dois golos. Um ao V. Guimarães quando um remate de Otávio lhe bateu nas costas e entrou e outro que marcou ao Moreirense.Assistências tem apenas uma quando tocou de cabeça para Danilo fazer um golaço ao Chaves. Um rendimento que contrasta com o que tinha na primeira passagem pelo Dragão. Na altura, já tinha festejado seis dos sete golos que fez nessa época e oferecido cinco. Tudo isto em menos tempo (161’) minutos.

Depois de muitos avanços e recuos, Óliver regressou ao Dragão para se tornar num dos indiscutíveis – falhou apenas um jogo da Taça da Liga desde que chegou – apesar de, como dissemos, não ter muitas ações decisivas. “Estou onde quero, estou feliz, e não trocaria por nada. Gosto do clube, da cidade, do estádio e das pessoas…sinto-me plenamente realizado. Sou feliz a jogar futebol e fazendo-o no FC Porto sou ainda mais”, disse no final do ano. Os portistas, recordese, têm uma opção de compra definitiva dos direitos desportivos,emdezembrodesteano, que rondará os 20 milhões de euros.

Fonte: Ojogo