Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Os segredos de Casillas

Casillas está a realizar uma grande temporada

MÉTODO Casillas exigiu melhorar e conseguiu, especialmente no jogo de pés. O JOGO conta-lhe como é a semana-tipo do treino que Rui Barbosa lhe orienta

O que Rui Barbosa espera de Casillas e qualquer guardaredes do FC Porto? “Que seja comunicativo, que domine o espaço aéreo e o jogo com os pés, seja rápido nas ações e transições e um líder”, disse na UTAD

O treinador pede-lhe que seja um guarda-redes de ataque, antecipe os rivais e todos os movimentos que faça sejam para se aproximar da bola. É só ver as defesas no Estádio da Luz…

A semana de Casillas foi, em tudo,igual às anteriores. O espanhol tem mais clássicos do que qualquer outro dos jogadores que pisaram a Luz e, ainda que tenha admitido que continua a sentir o nervoso miudinho dos grandes jogos, não precisa propriamente de uma preparação especial. O que não tem sido igual às anteriores é a época do guarda-redes espanhol, verdadeiramente decisiva no crescimento do FC Porto e no reencontro da fama que marcou o início de século e o levou a títulos e mais títulos. O que mudou

afinal na vida e no jogo de Iker? Juan Carlos Arévalo, o treinador do guarda-redes na primeira época em Portugal, acredita que a culpa é do fantasma do Real Madrid, que finalmente foi embora. Rui Barbosa, o atual treinador, prefere acreditar no trabalho que o fez evoluir. Apesar de já ter 35 anos, Casillas assumiu junto do atual treinador de posto específico que ainda pode melhorar. Foi, também, com base na opinião do que o “portero” considerava serem os seus pontos menos fortes que foi construída a sua preparação semanal. Rui Barbosa, que chegou do Rio Ave a pedido de Nuno, introduziu coisas novas e pediu-lhe essencialmente que fosse um guarda-redes de ataque. Ou seja, que saísse da baliza, an-tecipasse os lances e tudo o que fizesse fosse no sentido de se aproximar da bola. Foi o que sucedeu, por exemplo, quando aos 65’ salvou uma bola que Jonas já via entrar na baliza aberta. E remeteu a seguir em dois movimentos de ataque frontal. Chamaramlhe instinto, mas é na verdade uma das páginas do seu diário de trabalho, que aqui lhe damos a conhecer.

Na coluna ao lado apresentamos-lhe, dia a dia, a semana da preparação do herói do clássico, idealizada por Rui Barbosa, mas ao encontro às necessidades do número 1. O foco no jogo começa ao terceiro dia da semana, quando lhe são apresentadas as primeiras movimentações-tipo do adversário que vai defrontar. Ao quarto dia, a preparação torna-se ainda mais específica, ao quinto transforma-se em psicologia. O guarda-redes volta ao trabalho mais tipificado e insiste nos reflexos e nas tomadas de decisão. Os três lances em que foi decisivo na Luz também lhe vão lembrar este tópico.

Rui Barbosa não teve problemas para, há uma semana, explicar aos alunos da UTAD, como prepara os guarda-redes do FC Porto. O individual fica para ele, mas O JOGO sabe que há uma grande cumplicidade entre treinador e jogador e uma análise constante ao erro, mesmo aquele que é invisível aos olhos dos adeptos, como qualquer trajetória ou defeito de posicionamento. É que apesar da experiência e de em Espanha ter sido sempre sujeito a muito trabalho técnico, Casillas continua a ser aperfeiçoado a esse nível, especialmente no primeiro e segundo treino da semana. Nas saídas do poste evoluiu muito, ainda que para evitar o erro prefira socar do que tentar agarrar. Mas a grande evolução que experimentou com Rui Barbosa deu-se no jogo de pés e o espanhol já o confidenciou a vários amigos. Hoje, sente-se mais confortável para ajudar a equipa a sair a jogar por pontos estratégicos e muito mais confiante quando recebe apertado.

DIA 1 Orientação para atacar a bola

Depois da folga, Rui Barbosa treina o posicionamento do corpo, a orientação dos apoios para que Casillas seja um guarda-redes de ataque, a atenção e a orientação espacial.

DIA 2 Mobilidade e foco já no adversário

Treino dedicado à defesa da baliza, em meio-campo, com bonecos a idealizar situaçõestipo do ataque do rival. Há ainda séries de exercícios para receções simples, mais complexas e outros que promovem o deslocamento e a mobilidade.

DIA 3 Situações reais, baliza, pés e pressão

Exercícios direcionados para situações reais de jogo: cruzamentos, situações de um 1×0, início de construção ofensiva, pontos de saída de pressão e até o passe longo para a colocação da bola em pontos estratégicos.

DIA 4 Decisões e psicologia na véspera

Na véspera do jogo, os guarda-redes do FC Porto treinam os reflexos, a tomada rápida de decisões, ações de posicionamento e preparam-se psicologicamente.

DIA 5 Aquecimento padrão e hora de jogar

Dia de jogo: o aquecimento é padronizado em sintonia com o guardaredes logo no início da época. A fechar, a insistência em duas ou três situações-tipo do adversário.

DIA 6 Recuperação e análise ao último jogo

No primeiro treino da semana, Casillas e Rui Barbosa analisam o jogo anterior, com foco no que esteve menos bem. Depois, há um trabalho técnico de intensidade baixa e, a seguir, recuperação no ginásio.

Últimas dicas chegam por telefone

A viagem, normalmente de autocarro, é o último momento de partilha de informação. Pela aplicação telefónica Whatsapp, Rui Barbosa costuma enviar, ao guarda-redes titular, pequenas informações em formato de vídeo. Nunca vídeos longos (no máximo 45 segundos ou um minuto), para que o guarda-redes consiga assimilar tudo e não desista de os ver e rever, se for preciso. Na mensagem seguem informações específicas sobre o rival e a forma como cobram penáltis e outras bolas paradas. Se entregasse uma pen drive, o jogador até poderia não a abrir. Mas se não abrir o Whatsapp, a aplicação denuncia-o logo.

Fonte: Ojogo