Pinto da Costa: Clássico foi balde de água fria

“NINGUÉM FOI TÃO BRILHANTE”

Clássico foi balde de água fria, mas a exibição deixou o presidente ainda mais confiante. Em toda a I Liga, garante, não viu demonstração de força parecida

PINTO DA COSTA “Acho que a equipa fez a melhor exibição da época [contra o Benfica]. Nos diversos jogos, não vi ninguém a ter uma exibição tão brilhante como a nossa”
“Um lance fortuito custou a vitória”
“Tirando o lance que foi para lá dos 90 minutos, foi o melhor desempenho que eu vi neste campeonato”
“O nosso desempenho dá-nos todas as esperanças de que estamos num bom caminho e a formar uma grande equipa”
“Que a arbitragem portuense continue forte”

O líder dos dragões lamentou o deslize que custou o triunfo e a aproximação à liderança, mas, à semelhança de Nuno Espírito Santo, vê sinais de que a equipa está no trilho certo

Nas primeiras declarações públicas após o empate (1-1) cedido em casa contra o Benfica, na décima jornada do campeonato, Pinto da Costa mostrou que está em sintonia com Nuno Espírito Santo. Na quinta-feira, o treinador do FC Porto sublinhou, em entrevista ao Porto Canal, que o melhor dos dragões ainda estava para vir e que o caminho a seguir passava por replicar a imagem transmitida frente à equipa da Luz. O presidente também ficou com sensações positivas e não encontra motivos para desânimo. O empate, imposto por uma cabeçada de Lisandro López aos 90’+2’, soube a derrota para os dragões, que estiveram na iminência de ficar a apenas dois pontos da liderança, mas Pinto da Costa prefere valorizar a exibição – os azuis e brancos dominaram praticamente todo o encontro – e utilizá-la como demonstração de força. “Eu acho que a equipa fez a melhor exibição da época. Não só no que ao FC Porto diz respeito, mas não vi ainda, nos diversos jogos, alguém ter uma atuação melhor e tão brilhante como a que nós tivemos”, frisou, ontem, o líder do FC Porto, em declarações a O JOGO, à margem da tomada de posse de Carlos Carvalho como presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol do Porto (ver página 44). Curiosamente, a cerimónia também contou com a presença de Antero Henrique, ex-administrador da SAD do FC Porto e de Artur Soares Dias, árbitro que conduziu o clássico que deixou Hector Herrera com as orelhas a arder, pelo alívio mal calculado que resultou no golo do empate da equipa orientada por Rui Vitória. “Um lance fortuito custounos a vitória”, lamentou Pinto da Costa, sem, no entanto, deixar que o balde de água fria subtraia otimismo para o que falta da temporada. “Tirando esse lance, que é importante e não se pode esquecer, mas foi para lá dos 90 minutos, foi a melhor exibição que eu vi de uma equipa neste campeonato”, reforçou o presidente portista, que já tinha afirmado, noutros momentos da época, que esta equipa era “à Porto”. O clássico, considera o presidente, foi só mais um sinal positivo: “O nosso desempenho dá-nos todas as esperanças de que estamos num bom caminho e a formar uma grande equipa.”

Relativamente à mudança no Conselho de Arbitragem da AF Porto, o dirigente manifestou um desejo. “Que a arbitragem portuense continue a ser forte e a formar novos valores, porque são bem precisos a nível nacional. Carlos Carvalho foi árbitro, esteve 14 anos no dirigismo e a arbitragem não pode prescindir dos seus melhores. Esta eleição demonstrou que a associação está atenta a isso”, afirmou.

FONTE/ OJOGO