Pressionar a liderança “via” Marítimo

FC Porto recebe os madeirenses sabendo que um triunfo deixa a liderança à distância de um ponto, ainda que à condição

É embalado por duas goleadas (Leicester e Feirense) que o FC Porto chega ao duelo com o Marítimo, encontro antecipado da 15.ª jornada da Liga NOS. Na “fortaleza” do Estádio do Dragão, na qual os portistas contam cinco vitórias e um empate nos seis jogos disputados para o campeonato, os Dragões vão procurar pressionar a liderança, que, no caso de um triunfo, fica, à condição, à distância de um ponto. O jogo, que tem início marcado para as 20h30 (Sport TV1), será antecipado no Porto Canal a partir das 19h30, acompanhado no Facebook e seguido em tempo real no Twitter e na App oficial. No fim, poderá voltar a sintonizar o Porto Canal para o rescaldo do encontro e depois ler aqui a crónica de jogo, bem como as declarações dos protagonistas.

Depois de recuperar o segundo posto, os portistas centram agora atenções no ataque à liderança do campeonato, à distância de quatro pontos. Para isso, a conquista dos três pontos deverá ser o objetivo principal dos Dragões, mas, além desse, o jogo com os insulares encerra mais motivos de interesse. Será interessante, por exemplo, verificar quanto tempo mais os azuis e brancos aguentam sem sofrer golos e se conseguem alargar aquele que já é o melhor registo do milénio no que respeita ao capítulo defensivo.

Para já, são sete os jogos consecutivos em que a bola não entra na baliza do FC Porto e para se encontrar um registo parecido é preciso recuar até a época de 1996/97, em que o plantel então orientado por António Oliveira acumulou 795 minutos sem sofrer golos. Ora, contando com os 30 minutos do prolongamento do jogo em Chaves, o cronómetro mostra atualmente 660 minutos com a baliza a zero, o que deixa a atual equipa a 135 minutos da marca de 1996/97.

Um pouco mais longe, mas não fora dos horizontes, está o recorde absoluto do clube, que perdura desde 1994, sob o comando de Bobby Robson: 912 minutos sem sofrer golos. Para lá chegar, e ainda pode fazê-lo no ano de 2016 sem que tenha que sair do Dragão, a equipa de Nuno Espírito Santo terá que manter a “ficha limpa” nos próximos dois jogos, com Marítimo e Chaves (Liga), a que se deverão somar 73 minutos no jogo com o Feirense (Taça da Liga).

No que respeita a encontros entre o FC Porto e Marítimo em casa dos Dragões, a história é muito favorável aos azuis e brancos em todas as competições. Desde o primeiro registo, no longínquo ano de 1932, numa partida a contar para o Campeonato de Portugal (vitória por 3-2 no Estádio do Lima), o FC Porto perdeu apenas por uma vez com os verde-rubros (1-3): foi para a Taça da Liga, naquele que foi também o penúltimo encontro entre os dois clubes, há pouco menos de um ano. Além desse resultado, o melhor que os madeirenses conseguiram foi empatar três jogos, um para a Taça de Portugal (1957/58) e dois para o campeonato (1980/81 e 2008/09), contando por derrotas os restantes 40 que disputaram em casa dos Dragões (91%).

Na conferência de imprensa de antevisão da partida, que será dirigida pelo juiz da Associação de Futebol de Setúbal Bruno Esteves, o técnico Nuno Espírito Santo reconheceu que o Marítimo é um adversário difícil, que conhece bem, mas que o verdadeiro foco da equipa está no que ela própria poderá produzir no jogo: “Eperamos um jogo difícil, conhecemos o adversário e sabemos que já fez bons resultados, mesmo que maioritariamente no Estádio dos Barreiros. Estamos avisados para tudo isso, mas focados em nós. Jogamos no Dragão, que é a nossa fortaleza, e tudo faremos para conseguir o que pretendemos, uma boa vitória e um bom jogo na perseguição do nosso objetivo”.

Fonte: FC Porto