Problema lateral em chaves

Layún e Maxi só devem treinar na véspera do jogo da Taça de Portugal. Decisão sobre quem joga à direita para tomar em cima do jogo

Varela, usado como defesa direito na pré-temporada, está de prevenção para o caso de os dois internacionais chegarem muito desgastados. À semelhança do Gafanha, poupanças devem ser mínimas

O FC Porto joga sexta-feira em Chaves, mas Nuno Espírito Santo só na véspera, ou mesmo no próprio dia, terá certezas quanto ao onze que vai apresentar. A “culpa” é das seleções, sobretudo a mexicana e a uruguaia, e a grande questão prende-se com o lado direito da defesa. Os dois clientes habituais para ess aposição, Layún eM axi Pereira, estão do outro lado do Atlântico e só regressam em cima do jogo. No melhor dos cenários, os dois estarão no Olival na quinta-feira, véspera do jogo da Taça de Portugal, a tempo de realizar o último treino. Mas isso ainda vai depender dos voos de regresso, sobretudo no caso de Layún que, juntamente com Herrera e Corona joga na madrugada de quartafeira (2h15) no Panamá. Maxi ganha algumas horas porque a partida do Uruguai com o Chile disputa-se às 20h30 de terça-feira. Varela está, por isso, de prevenção. O extremo ainda só fez dois jogos esta época (total de 56 minutos em campo), mas foi testado a lateral-direito na pré-temporada e poderá ter uma oportunidade caso os dois laterais de raiz se apresentem sem condições para ir a jogo. Recorde-se que tanto Layún como Maxi fizeram os 90 minutos no primeiro compromisso das respetivas seleções e, ao que tudo indica, repetirão a titularidade nos próximos.

A questão é mais sensível por causa do ciclo que se inicia, precisamente, em Chaves. A partir daí o FC Porto tem dois jogos por semana até ao Natal e muitas decisões pelo meio. Basta lembrar que depois há a deslocação a Copenhaga para a Liga dos Campeões e, em caso de vitória, o apuramento para os oitavos de final será garantido. Nuno poderá ser tentado a fazer algumas alterações na equipa habitual, mas só mesmo se não tiver alternativas, como poderá ser o caso do lado direito da defesa. Em todo o caso, só no final da semana haverá certezas.

Na eliminatória anterior, contra o Gafanha, do Campeonato de Portugal, as mudanças foram mínimas e essa partida tinha o mesmo enquadramento: surgiu após paragem para as seleções e antecedeu um compromisso europeu. Adi ferençaé que, agora, orivalé do mesmo escalão. Ou seja, Nuno não quererá arriscar muito, nem hipotecar as aspirações numa prova que o FC Porto quer vencer.

ALTERAÇÕES

3

Frente ao Gafanha, Nuno fez apenas três alterações: José Sá, Maxi e Boly renderam Casillas, Felipe e Layún. Em Chaves as mudanças não deverão ser mais do que essas…

Conta de Maxi ainda está por abrir

Olhando só para as estatísticas, Layún é o melhor lateral do FC Porto. O mexicano chega a esta altura da época com dois golos (Roma e Brugge) e três assistências em 1106 minutos distribuídos por 16 jogos. Alex Telles, porém, é quem joga mais. O reforço de verão tem o mesmo número de jogos do que Layún, mas mais tempo: 1415’, nos quais soma um golo (Boavista) e uma assistência. Maxi esteve um mês e meio parado devido a lesão e, como tal, é o que tem menor utilização: 602’ em oito jogos, embora titular nos últimos dois. O uruguaio, contudo, ainda não teve qualquer ação decisiva (golos ou assistências) nas partidas.

FONTE/ OJOGO