Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Quatro vitórias em quatro jogos é registo só equiparado a Mourinho e Villas-Boas.

EFICÁCIA ESTIMULA MELHOR INÍCIO

Quatro vitórias em quatro jogos é registo só equiparado a Mourinho e Villas-Boas. Menor posse de bola compensada com maior acerto no remate

Estabilização do processo defensivo e as introduções de Brahimi e de Soares, que vieram melhorar o ataque, são outras razões apontadas pelos técnicos inquiridos por O JOGO para este rendimento dos dragões

Mais estável, mais pragmático e, acima de tudo, mais eficaz. Assim se descreve o atual FC Porto, que está a protagonizar um começo de segunda volta ao nível dos melhores da história do clube neste milénio. São quatro vitórias em outras tantas jornadas, registo que, neste período, só as equipas treinadas por José Mourinho (2002/03) e André Villas-Boas (2010/11), que venceram o campeonato, tinham conseguido. Mas com uma diferença em relação à de Nuno Espírito Santo: não defrontaram nenhum adversário direto na luta pelo título. A atual já teve de se bater com o Sporting, num dos encontros em que revelou uma aparente mudança de ideia: menos posse de bola, mas maior eficácia no remate.

O declínio de um parâmetro e o aumento do outro é por de mais evidente quando se compara a média da primeira volta com a da segunda. Em termos globais, o controlo da posse de bola caiu cerca de 18 por cento (62 para os 44), embora os números sejam ligeiramente inferiores (13 por cento) quando se reduz a análise apenas aos quatro jogos iniciais de cada uma das voltas. A diferença pode explicarse com o facto de o FC Porto se ter colocado mais cedo em vantagem nesta segunda metade da Liga, mas também envolve uma componente estratégica. “O V. Guimarães, por exemplo, não é uma equipa confortável com bola e, cedendo-lhe a iniciativa, o FC Porto pôde tirar partido de outras ações. No entanto, creio que no futuro irá controlar mais o jogo com bola, até porque é uma forma de ter uma equipa mais fresca em termos físicos e também mentais ”, defende Tulipa, um dos treinadores a quem O JOGO recorreu para explicar o atual rendimento dos azuis e brancos.

Seja como for, a ideia só prevaleceuporque, como lembraram também Rui Quinta e Toni, os dragões mantiveram a coesão defensiva e melhoraram na finalização. Aliás, a subida dos índices de eficácia nesta segunda volta em relação à primeira rondam os 12 por cento, em termos genéricos, e os 10 por cento, nos quatro jogos em questão (Rio Ave, Estoril, Sporting e V. Guimarães ).“A contratação de Soares foi determinante, porque tem nível, qualidade e finaliza muito bem. Se servido com qualidade, marca uma em cada duas bolas”, sustenta o primeiro, atualmente no Vizela, enquanto Toni, sem clube, destaca ainda o maior envolvimento de Brahimi. “A sua recuperação, depois de não ter jogado muito até dezembro, deu capacidade ofensiva ao FC Porto de materializar o seu domínio com golos”, conclui.

Mourinho tropeçou ao quinto jogo e AVB foi um dos três sem desaires

A receção ao Tondela poderá possibilitar a Nuno superar o arranque de segunda volta de José Mourinho, que em 2002/03 tropeçou ao quinto jogo, na deslocação aos Barreiros, para defrontar o Marítimo. Se vencer a equipa de Pepa, o treinador continuará ainda no encalço de um feito que apenas três treinadores portistas conseguiram neste milénio: fechar a segunda volta de um campeonato sem qualquer derrota. A proeza foi conseguida por Jesualdo Ferreira (2008/09), Vítor Pereira (2012/13) e André Villas-Boas (2010/11), embora o último só tenha cedido dois pontos dos 45 em discussão.

CURIOSIDADES

Inversão na posse de bola

Depois de na primeira volta ter tido uma percentagem de posse de bola superior a 50 por cento em três dos quatro jogos iniciais – o Sporting (46%) foi a exceção –, agora o FC Porto experimentou o inverso: só num (Estoril) é que não cedeu o domínio da bola ao adversário. Nos dois últimos jogos em casa, por exemplo, a bola andou 60 por cento do tempo nos pés dos rivais.

Maior eficácia com o… Rio Ave

A maior percentagem de eficácia de remate do FC Porto nos encontros da segunda volta foi obtida contra o Rio Ave (31 por cento) e Soares, que leva uma eficácia de 75 por cento em duas jornadas, nem sequer defrontou os vila-condenses. O melhor registo dos azuis e brancos neste parâmetro, porém, remonta ao jogo da primeira volta com o Feirense (67%).

Arranque único na I Liga

O FC Porto é a única equipa só com vitórias na segunda volta do campeonato. O Benfica, que lidera a classificação, já perdeu em Setúbal e o Sporting, que ainda sonha com os primeiros dois lugares, escorregou nos Barreiros e no Dragão. O Feirense e o Marítimo são as outras equipas invictas nesta segunda metade.

Fonte: Ojogo