“Que em 2018, todos juntos, possamos fazer por mais e melhor desporto no nosso país.”

Secretário de Estado promete “sanções expressivas” para “erradicar” o “discurso inflamado” no futebol português

João Paulo Rebelo reconhece que a troca de acusações e de palavras que se verifica não passa em claro. “Efectivamente, hoje, as coisas estão para lá do que seria desejável”, assinala.

O secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, considera que o actual mau clima no futebol português está a passar das marcas.

Em entrevista a Bola Branca, João Paulo Rebelo reconhece que a troca de acusações e de palavras que se verifica não passa em claro, no dia-a-dia: “Não há no meu quotidiano com quem fale que não reconheça que, efectivamente, hoje, as coisas estão para lá do que seria desejável, do ponto de vista de um discurso inflamado que nada tem que ver com o desporto e com os valores do desporto.”

João Paulo Rebelo sublinha que está disponível para tentar apaziguar, até porque “estar publicamente mais ou menos interventivo não quer dizer” que não se esteja activo, e destaca: “Competitividade é uma coisa, outra coisa é agressividade e partirmos para discursos que incitam atitudes menos compaginadas com o que são os valores do desporto.”

Perante isto, o executivo tentará acabar, de vez, com o clima nefasto já em 2018. Promete, desde já, “um conjunto de medidas e de propostas que procurarão pôr cobro” ao clima que o Governo quer “erradicar do futebol português”, destacando-se mais sanções e “mais expressivas”.

Mais atletas em Tóquio e uma mensagem de Ano Novo

Foi aprovado, na semana passada, o programa de preparação para os Jogos Olímpicos de 2020. O Governo quer mais atletas em Tóquio, com mais dinheiro envolvido na preparação. Dinheiro que, garante João Paulo Rebelo, não se diluirá no aumento do número de atletas desejado.

“Globalmente, face ao projecto anterior, situa-se entre os 13 e os 14%, consubstanciando-se num montante de 18,55 mil euros para o programa de Tóquio 2020”, revela, garantindo que “vão haver mais atletas”, com medidas ainda a serem discutidas. “A apresentação pública será feita em meados de Janeiro, todo o país conhecerá em detalhe as linhas com que vamos coser este programa de preparação olímpica de Tóquio 2020.”

“O próprio IPDJ garantirá uma rede que não deixe cair atletas no vazio, quando eles, por alguma razão, puderem sair do projecto olímpico. A nossa aposta é feita no sentido de reforçar o número de atletas, mas sem pôr em causa a questão das verbas e dos apoios financeiros”, detalha.

Nestas declarações a Bola Branca, o secretário de Estado do Desporto é convidado a deixar uma mensagem para o novo ano: “Que em 2018, todos juntos, possamos fazer por mais e melhor desporto no nosso país.”

Exclusivo Bola Branca RR