Já viste este telemovel igual ao Galaxy S8, Octacore, Camara 16Mp da Sony, Touch ID...etc por APENAS 100€? Visita o nosso link e não pagas portes de envio nem taxas alfandegárias!

CLICA AQUI

Rúben Neves: os 5-0 ao Benfica, o primeiro golo e 20 bilhetes para a família

Médio do FC Porto falou sobre os primeiros tempos na equipa principal e da confiança que Julen Lopetegui lhe transmitiu.

Memórias do 5-0 ao Benfica: “Estava atrás da baliza do lado dos Super Dragões, estava mais nervoso do que o habitual, porque era um clássico. Vi o jogo nervoso, mas as coisas começam a correr tão bem para o nosso lado que chegamos aos 5-0, tornando-se num dos jogos mais felizes. Primeiro golo do Varela, segundo e terceiro do Falcao e depois, na baliza onde estava, foram dois golos do Hulk, um deles de penálti”.

Chamada ao estágio da pré-época 2014/15: “Pensei em mil coisas na altura, porque não estava à espera. Tinha treinado duas vezes com a equipa B, pensei que era a minha equipa. No início pensei que era por falta de jogadores. Depois, Lopetegui falou comigo e disse-me que me tinha visto jogar no Europeu de sub-17, que também foi nesse ano e que tinha gostado. Nunca pensei entrar no balneário e ver jogadores que eram ícones, como Helton ou Quaresma, mas quando fui chamado a treinar não pensei nisso sequer. Graças ao Helton e ao Quaresma, que foram dos jogadores que mais me ajudaram e talvez por isso tenha corrido tão bem”.

Aposta de Lopetegui: “Lopetegui sempre tentou ser equilibrado. Não me dava a entender que iria ser eu a jogar, mas também não dava a entender que estava ali por faltarem outros jogadores. Dava-me a entender que estava ali porque merecia, mas que também tinha de trabalhar ao máximo para agarrar o lugar. Ele até tinha muito cuidado para não ficar demasiado ‘em bicos dos pés’ por estar a começar a jogar, porque depois a queda podia ser grande. Manteve-me sempre equilibrado. Ajudou-me e também foi graças a ele que fiquei calmo e esperei pela minha oportunidade”.

Primeira apresentação: “Reservei 20 bilhetes para a minha família na apresentação (só para metade). Foi um orgulho enorme, uma recompensa pelo trabalho e sacrifício”.

Golo aos 17 anos e 155 dias, batendo recorde de Fernando Gomes: “Não sabia como festejar o golo. Corri para aquele lado por acaso e depois lembrei-me de ir de joelhos, porque é um festejo que muita gente utiliza. Individualmente foi o melhor momento que tive. Foi lindo. Foi perfeito para mim e para a minha família, que se emocionaram nas bancadas”.

Fonte: Ojogo

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *