Sérgio Conceição: “É óbvio que vamos lá para ganhar o jogo”

Treinador do FC Porto perspetivou a deslocação a Tondela, da segunda jornada da Liga NOS (domingo, 20h15)

 

A goleada sobre o Estoril (4-0), na ronda inaugural do campeonato, não retirou um milímetro de realismo e seriedade ao discurso de Sérgio Conceição, que este sábado fez a antevisão da deslocação ao Estádio João Cardoso, onde o FC Porto defronta o Tondela na segunda jornada da Liga NOS (domingo, 20h15, SportTV 1). O treinador garantiu estar ciente das dificuldades que esperam os Dragões, mas deixou claro que o pensamento é só um: conquistar os três pontos.

As dificuldades de sempre
“Todos os adversários são complicados e, essas equipas que lutam pela manutenção, são equipas que conheço bem, pois já passei por algumas enquanto jogador e treinador. Sei a preparação que fazem e como se trabalha bem, mas já não há segredos. Acredito que vamos ter um jogo difícil e que vamos jogar para ganhar, mas isso é o que dizem todos os treinadores e eu não fujo à regra. É óbvio que vamos lá para ganhar o jogo. O Tondela é uma equipa disponível e agressiva no seu processo defensivo, nos quais define bem os momentos de pressão. Também é uma equipa perigosa a aproveitar os espaços, por isso temos de ser inteligentes e ter paciência, mas ter paciência com os olhos na baliza. Além disso, manter o equilíbrio defensivo é fundamental para quem joga em ataque continuado.”

Fora como em casa
“Jogar fora ou em casa, para mim, é igual. A única diferença é o número de adeptos do FC Porto, mas sei que em Tondela também vão estar muitos. Espero que o mar azul continue. A nossa forma de encarar os jogos será exatamente igual em casa ou fora. Preparamos os jogos da mesma forma, com um ou outro ponto diferente em função do adversário. Os jogadores sabem o que quero e não há nem pode haver diferenças a jogar em casa ou fora.”

Ausências certas
“O Soares e o Rafa continuam de fora e não vão estar disponíveis para este jogo.”

O nível da fasquia
“A fasquia somos nós, equipa, que a colocamos sempre alta, pois temos sempre a obrigação de lutar pelos três pontos. A fasquia é o nosso trabalho diário e essa exigência é alta no balneário. Somos um grupo forte, ambicioso e queremos ganhar a Liga. Não vamos ganhar sempre por quatro golos, pois do outro lado existem equipas com valor e qualidade.”

A saída de Martins Indi
“Tudo o que é feito é preparado e planeado. Se o Indi saiu, é porque foi um bom negócio para o clube e para o jogador. Continuo a dizer que não gosto que o mercado esteja aberto nesta altura. Até ao dia 31 estamos sujeitos a tudo.”

Marega
“O atraso na integração teve uma explicação plausível. Tudo foi clarificado entre todos e ficou resolvido. Perdeu dez dias de trabalho e tinha de recuperar o tempo perdido, sobretudo em termos físicos e de conhecimento das ideias de jogo. O que me deixa contente é quando alguém sai do banco com aquela motivação, não só o Marega, mas também o Hernâni e o Herrera. Isso demonstra o espírito fantástico que existe no grupo e deixa-me feliz. Os dois golos foram do Marega, mas poderiam ter sido de outro qualquer.”

Fonte: FC Porto