Sérgio Conceição: “Não vou ter problemas em dizer o que penso”

Na conferência de imprensa de apresentação, o novo treinador do FC Porto deixou bem vincada a sua postura, deixando uma garantia quanto a baixas: “Espero não perder o presidente”.

Prioridade do FC Porto: “Não vou ter problemas em dizer o que penso. Não é uma questão de obsessão. Perguntar a um treinador do FC Porto se pensa ganhar uma Taça de Portugal… Isso é o mínimo que tem de acontecer nesta casa. De qualquer forma, há essa vontade de conseguir o campeonato, esse é o título principal e, obviamente, chegar o mais longe possível na Liga dos Campeões”.

Importância da formação: “Eu dou muita importância à formação. Partindo do princípio que a formação é importante para o futuro dos clubes. Eu também fui formado no FC Porto. Antigamente era mais difícil ter uma oportunidade na equipa principal. Eu sou uma pessoa e um treinador atento. A formação está associada aos valores do FC Porto, já me informei e já fiz o trabalho de casa daquilo que são os jogadores que podem ser incluídos na equipa principal”.

Jogadores que poderá perder: “Espero não perder o presidente [risos]. Agora o plantel… Vamos ter tempo de falar nisso com a direção e vamos ter uma equipa determinada, uma equipa com estatuto e com força para lutar pelos títulos que temos pela frente no próximo ano. Depois, saídas e entradas… é difícil falar em nomes. Não é correto falar em nomes”.

Sérgio Conceição e o plantel do FC Porto: “Isso são situações de que vou falar com o presidente e com a direção. A seu tempo, falaremos. Vocês vão perceber isso. Compreendo o momento dos clubes. Não digo que não vão sair jogadores, mas não vai existir problema nenhum. Vamos ter um FC Porto muito competitivo no próximo ano, isso posso garantir”.

Nova era: “Temos de começar a falar no FC Porto 2. De uma nova era. Começar do zero. Não sou melhor nem pior, sou um treinador diferente dos outros. Não me apraz falar do passado. Quero olhar para o presente e para o futuro. Já estamos a trabalhar nisso. O passado não me interessa. Não me compete analisar o trabalho dos meus colegas. Não seria elegante da minha parte”.

Fonte:OJOGO