Tudo sobre controlo

Carles López, adjunto de Guillem Cabestany, explicou à DRAGÕES como é feita a prepração física do FC Porto Fidelidade

Por Rui Cesário Sousa

Se um dia passar pelo Dragão Caixa e perguntar por Carles López Martínez provavelmente não obterá qualquer resposta. Caso queira saber do treinador adjunto da nossa equipa de hóquei em patins, principal responsável pela preparação física dos nossos jogadores, talvez seja melhor abreviar o nome para Lau, pois é assim que desde muito novo é conhecido entre familiares e amigos: “Sinto-me mais próximo das pessoas quando me chamam Lau”. Nasceu em Barcelona, a 19 de junho de 1982 (35 anos), e desde sempre esteve ligado ao desporto, em especial à preparação física, tendo mesmo chegado a orientar um nome bem conhecido dos portistas: Guillem Cabestany. Nesta conversa com a DRAGÕES, o catalão falou-nos um pouco sobre a sua história e do muito trabalho que desenvolve diariamente no FC Porto, ao lado de Cabestany e Jorge Ferreira.

Foi ainda durante os estudos de educação física na Universidade de Barcelona, que incluiu um Mestrado em Rendimento de Desportos Coletivos, que Lau López se iniciou como preparador físico no hóquei em patins. A primeira oportunidade foi-lhe dada pela formação do Noia, da localidade de Saint Sadurní d´Anoia, nos arredores de Barcelona, que disputa a principal divisão espanhola. E essa experiência haveria de o marcar para os anos que se seguiram: foi lá que conheceu e treinou Guillem Cabestany, o atual treinador do FC Porto, que então fazia a última época como jogador. Mais tarde, já como treinador, Cabestany, certamente agradado com o trabalho, convidou Lau para integrar a sua equipa técnica, primeiro nos quatro anos em que orientou o Vendrell e depois no FC Porto. Os caminhos separaram-se após essa etapa do Vendrell, com Cabestany a rumar a Itália, para orientar o Breganze, e Lau a mudar-se para o Reus. Separaram-se por motivos profissionais, que Lau colocou de parte no momento em que escutou o convite para rumar ao FC Porto, uma equipa que considera de “nível máximo” e com todas as condições para competir com as melhores do mundo.

Recuperar o físico e o mental
Construir e desconstruir, encher e esvaziar. Podem parecer termos estranhos quando nos referimos ao treino, mas foi esta a forma que Lau encontrou para nos explicar qual é primeira preocupação da equipa técnica após o final de um jogo. Vamos por partes: cada adversário obriga a equipa técnica a dotar os jogadores de informação específica, seja ela técnica, tática ou física, com movimentações específicas a executar. Tudo isto faz parte de uma construção que é feita ao longo da semana de treinos tendo por base não só as especificidades de cada jogador, mas também as do adversário. Ora, concluído o jogo, eliminar toda essa construção é a primeira preocupação a ter para iniciar o seguinte. “No fundo é esvaziar tudo o que foi absorvido e começar a construir uma nova realidade, tendo sempre por base o treinador e aquilo que ele quer que seja a nossa equipa”, diz-nos Lau, para quem a recuperação mental acaba por ser o maior desafio. Isto porque não há uma fórmula. Não se pode entrar na cabeça de jogadores diferentes da mesma maneira. Todos vêm de realidades diferentes e acontece que o mesmo jogador pode precisar de coisas distintas em momentos diferentes da época. O que quer isto dizer na prática? Lau explica: “Uns precisam de uma palavra, outros de um gesto, outros de um simples olhar… E há outros que até nem precisam de nada, apenas de treinar bem e de jogar para ultrapassar um mau momento”. Entramos, portanto, no domínio do psicológico e da confiança “fundamental” para o jogador e para a equipa.

Este texto é um excerto de uma entrevista com Carles López publicada na edição de abril da Dragões, já disponível nas bancas. Pode aceder aqui à versão digital da revista oficial do FC Porto, que inclui conteúdos multimédia exclusivos.

Fonte: FC Porto