“Universo Porto da Bancada” abordou, entre outros temas, a realidade construída pelo Benfica no lance de Danilo

As imagens manipuladas

As imagens partilhadas pelo Benfica do lance envolvendo Danilo, no Desportivo das Aves-FC Porto do passado sábado, foram, inevitavelmente, um dos temas em discussão na edição desta terça-feira do “Universo Porto da Bancada”. Francisco J. Marques defendeu que ficou claro que esta foi apenas mais uma das muitas manipulações do clube da Luz no futebol português, mais uma adulteração da verdade desportiva e espera que ela venha a ter consequências. O diretor de comunicação e informação do FC Porto prometeu no programa da próxima semana novas revelações sobre Nuno Cabral, delegado da Liga, e um dos tentáculos do famigerado polvo.

Durante os 90 minutos do programa do Porto Canal também foi comentada a arbitragem do jogo do passado sábado, assim como o programa “Chama Imensa”, que não faz jus ao nome, que prometeu tanto ​e mostra uma mão cheia de nada.

A realidade construída pelo Benfica
“Percebi logo que eram imagens manipuladas. Começaram a repetição 12 frames à frente omitindo o momento do contacto. Isto é uma adulteração muito grosseira e não importa quem as fez, mas sim quem a difundiu e o Benfica ao fazendo no seu twitter oficial esta a tentar tirar vantagem do que elas mostram. São imagens falsas e manipuladas. O Benfica, após ter sido desmascarado pelo CMTV, veio insistir a dizer que aquilo tinha a ver com a compressão e qualidade do vídeo. Azar que tinha sido logo aquele frame, mas agora percebemos que não foi só aquele, foram 12 de uma vez e mais 12 de outra. 25 no total, os que comprovam o derrube ao Danilo. Isto e um grau novo na vigarice de comunicação do Benfica, que não tem rosto e por isso a responsabilidade tem de ser do seu diretor, Luís Bernardo.”

“Vamos imaginar que o clube que é capaz de fazer isto também transmite os seus jogos em casa. Levantaria uma suspensão inacreditável. Se fazem isto com os jogos dos outros… Este é um dos episódios mais lamentáveis do futebol português. Espero que tenha consequências nas autoridades desportivas.”

Chama apagada
“Foi visível um recuo da atitude do José Marinho e das pessoas que participam no programa. A ideia é que o Benfica procurou dar uma resposta a este programa, mas há uma diferença abissal, porque nada do que aqui foi dito foi desmentido, aqui quando denunciamos alguma coisa, apresentamos provas que a sustentam.”

“No último programa, o Benfica tenta fazer a defesa do Bruno Cabral, comparando-o com o Rui Pinheiro, filho de Joaquim Pinheiro e que é também delegado da Liga – e que, convém referir, que nunca foi num jogo do FC Porto -, mas que comete o crime de ser filho de quem é, porque não lhe foi apontada uma acusação que fosse. O que não é o caso do Nuno Cabral. Nuno Cabral está enterrado até ao pescoço nisto, juntamente com Paulo Gonçalves. Na próxima terça-feira teremos material novo sobre Nuno Cabral, suportado com documentos. E sabem que nós cumprimos com o que prometemos.”

A arbitragem do jogo do Desportivo das Aves
“Há um erro grave do árbitro Rui Costa, mas que, por uma qualquer razão, pode não te tido a perceção correta do lance. Em relação ao VAR Bruno Esteves, trata-se de um erro muito grave, que não vê uma pancada forte do Anilton sobre o Danilo. É absolutamente inexplicável.”