“Vamos a Copenhaga para apurar já e depois lutar pelo primeiro lugar”

“O QUE FALTA? É METER LÁ A BOLA”

Junta-se à cruzada de Nuno contra a falta de eficácia, mas para já só aponta ao Copenhaga: é para apurar imediatamente

“Vamos a Copenhaga para apurar já e depois lutar pelo primeiro lugar” Nome Nome Referencia

Da página 1 Longa entrevista de uma das revelações portistas da época, que já suscita curiosidade no Brasil. Quem é o Otávio do presente e que perspetivas tem para o futuro? O criativo respondeu a tudo

Otávio é uma das figuras em destaque num FC Porto irregular, que amanhã joga o futuro na Liga dos Campeões e que, por cá, tão depressa faz um grande jogo com o Benfica como tomba em Chaves, para a Taça de Portugal. “Não sei explicar bem os motivos, queremos sempre ganhar. Há jogos que correm melhor, outros pior. O que tem faltado é meter a bola lá dentro. Há jogos em que vamos estar mal, mas temos de meter uma bola lá dentro e ganhar 1-0”, atira, como que a juntar-se à cruzada de Nuno Espírito Santo contra a falta de eficácia dos portistas, que nos últimos quatro jogos remataram 72 vezes, mas só marcaram dois golos. “Não podemos perder muitos pontos porque o campeonato português é muito difícil de recuperar. O Benfica já vai a cinco, mas tenho a certeza que vamos atrás e lutar pelo título”, completou.

O criativo brasileiro foi destaque num programa do Esporte Interativo que foi para o ar durante a madrugada que passou,masaqueOJOGOteve acesso. Os brasileiros querem saber mais sobre um craque que poucos conheciam. “Sonhava em jogar no FC Porto, mas não imaginava já isto. Agarrarei a oportunidade depois do empréstimo ao V. Guimarães e agora quero mostrar o meu trabalho e levar o FC Porto a ser campeão”, prosseguiu, preferindo centrar a conversa no coletivo, até porque amanhã o jogo é decisivo. “O Copenhagaéumagrande equipa. Temos de ter cuidado, rever onde erramos aqui em casa para chegar lá, conquistar a qualificação e depois lutar pelo primeiro lugar”, pediu. Na primeira volta, foi ele a marcar. “É o sonho de qualquer garoto jogar a Champions. No primeiro ano nem sequer fui inscrito. Quando soube que tinha sido agora, fiquei logo muito feliz. Depois tive o golo no primeiro jogo.Ficosempalavras. Um golo nesta prova é muito gratificante e esse pode ter sido o meu cartão de visita, deu-me mais confiança”, concluiu.

André Silva “É top, brilhante! Vejo-o como Lewandowski”

“Há muitos jogadores de qualidade no plantel, como Brahimi, Adrián López ou Corona”, elogia Otávio, que se garante mais confiante porque deixa grandes nomes no banco. “Também sabia do meu valor e o míster confiou em mim”, congratulou-se. Na aposta que Nuno vai fazendo na juventude, André Silva é, porventura, o maior destaque. E Otávio não se poupa em elogios nem disfarça quando é para falar sobre o colega. “É um ponta de lança top. É novo, forte, inteligente e sabe fazer golos que é o que os pontas de lança precisam. Vejo-o como a Lewandowski: móvel e forte. O André é desses. Sabe vir buscar o jogo e marcar. Tem um futuro brilhante pela frente”, vincou.

CONTRATO FELIZ POR RENOVAR, QUER FICAR APÓS FIM DA ÉPOCA

Otávio quer “ficar no FC Porto até final da época e, se puder, mais ainda.” A explicação é simples: “Sinto-me em casa, estou feliz, o clube dá-me tudo.” Ainda assim, o mercado não é assunto fechado. “Se vier uma proposta boa para as duas partes, vamos conversar”, soltou, “mais confiante”, pelos ecos que vai tendo sobre o interesse da Juventus. A renovação até 2021 foi gratificante: “O FC Porto valorizou-me, confiou no meu trabalho e o que tenho é de retribuir em campo”.

PRESSÃO O LADO BOM É QUE GANHAR SIGNIFICA VIRAR ÍDOLO

Três anos sem ganhar nada “é muito para o FC Porto, um clube que tem de vencer sempre”, concorda. Mas a pressão agrada. “Sabemos que existe essa cobrança. É uma pressão boa porque sentimos que se ganharmos vamos entrar na história por terminar esse ciclo. Qualquer jogador quer virar ídolo, ainda mais no FC Porto, onde os adeptos são maravilhosos. Pretendo ser campeão e, não só eu como todos os meus companheiros, vamos passar a ídolos se formos campeões”, resume.

“Derrota” no Clássico não tira força em casa

O melhor jogo do FC Porto foi contra o Benfica, mas não terminou bem. “O empate soube a derrota. Controlámos o jogo todo. Infelizmente, aos 93’, num canto, marcaram”, lamentou, elogiando depois os adeptos: “Dentro de casa somos sempre muito fortes. Com a ajuda deles conseguimos jogar mais como fizemos com o Benfica”, vincou

Casillas é um modelo também como pessoa

Há dois anos, Casillas estava no Real Madrid, Otávio não jogava em Guimarães. “É um orgulho ter um jogador como ele, que ganhou tudo com o Real, e ver que como pessoa é incrível. É um companheiro bom, dá-se bem com todos, trabalha muito e vai ajudar-nos”, elogiou

Seleção é como a Champions: um sonho

No Brasil já lhe perguntam pela seleção mas, para já, a canarinha “é como a Liga dos Campeões, um sonho.” Enquanto não se realiza, o foco é o clube, até porque de outra forma é proibido sonhar. “Estou focado no FC Porto, em jogar e ganhar aqui. A seleção será consequência. Vai depender de como estiver aqui. Espero tranquilamente”, garantiu

Messi é o melhor, mas 2016 é de CR7

Na eleição para melhor do mundo, Otávio dá a Messi o voto eterno. “É melhor”, considera. “Mas o melhor de 2016 vai ser o Ronaldo. Foi campeão Europeu por Portugal, que ninguém acreditava, e de forma fantástica. É um jogador completo, mas prefiro Messi porque faz mais as minhas funções”, fecha

Ronaldinho lá atrás, Coutinho agora

A inspiração de Otávio é um jogador formado no Grémio, rival do Internacional, clube que lançou o portista . “Sempre gostei do Ronaldinho, Gaúcho. Foi craque”, sorri. Mas se o “dentuça” está no passado, quem é o modelo da atualidade? “Philippe Coutinho. Vejo sempre os jogos dele. Joga como eu, como extremo a partir para dentro”, respondeu.

 

FONTE/ OJOGO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *