VERGONHA: O DELEGADO DA VERGONHA!

No passado dia 4 de Abril, Francisco J.Marques afirmou no programa Universo Porto da Bancada o seguinte: “Os presidentes das equipas que vão defrontar o Benfica, não deixem chegar junto dos seus jogadores nenhum César. É um conselho que eu deixo. Se os Césares ficarem longe dos jogadores dessas equipas, não há necessidade dos próximos capítulos”.
 

A resposta do “verdadeiro” César

Alguns dias depois, César Boaventura, CEO da empresa de agenciamento GIC, sentiu-se visado por estas declarações de Francisco J.Marques e resolveu responder através do jornal Record. Um órgão de CS que está ligado a esta gente desde o primeiro momento, como veremos mais à frente.

 

link da notícia (aqui)
Com tantos “Césares” neste país, não deixa de ser curioso que este sujeito tenha enfiado a carapuça. Na altura estranhei essa situação e fiz uma pequena investigação sobre este senhor e a sua empresa. Um post que pode e deve ser lido no link seguinte:
 

Abel Silva – O Sr. do “Jogo Duplo”

Link (aqui)

 

Abel Silva esteve desde o primeiro momento ligado à GIC, como se pode ver no print anterior. Este senhor é um dos implicados no processo “Jogo Duplo” relativo a viciação de resultados e apostas ilegais. Curioso, não é?

 

O Record sai em defesa de Abel Silva

A notícia sobre o envolvimento de Abel Silva no processo Jogo Duplo começou a ser publicada pela hora de almoço de dia 30 de Março de 2016. No mesmo dia, Abel Silva concedeu uma entrevista ao jornal Record num escritório de advogados, como as fotos do jornal confirmam. Resta saber se foi numa das quatro firmas contratadas pelo Benfica para lidar com o caso dos emails.

 

 

No dia seguinte, o jornal Record faz notícia com este tema. E sim, estão a ver bem. O Record fez uma capa com a defesa de uma personagem menor como o Abel Silva. Por que será? Antes desse dia, algum jovem com menos de 30 anos conhecia sequer este senhor? Qual é a relevância disto? E porque é que o Record optou por uma clara tentativa de limpeza pública do sujeito? Alguém viu alguma capa do Record sobre o caso dos emails? Pois…

Cheira a esturro, não cheira?

 

O fantástico mundo da GIC

 

O Ministério Publico e a própria comissão de instrução e inquéritos da Liga fizeram de conta que não ouviram as declarações de Francisco J.Marques. Os jornais foram no mesmo sentido e branquearam a situação. Os presidentes dos clubes que jogaram com o Benfica até ao final da época nada disseram. Ficou tudo na paz do senhor. Afinal de contas com “os padres que escolhemos e ordenamos, nas missas que celebramos, temos é de rezar e cantar bem.”

 

Entretanto, um tal de César Boaventura enfia a carapuça. Vai-se a ver e o senhor está cheio de negócios “espectaculares” com o Benfica com especial destaque para o caso de Mika (que no momento da transferência do Boavista para o Sunderland, veio-se a saber ainda pertencia ao Benfica) e Coulibaly (o tal jogador que esteve 1 mês e meio a treinar no Seixal e depois acabou por assinar com o Farense, clube que perdeu a manutenção na II Liga na secretaria por um erro infantil. Curiosamente, esse erro permitiu ao Benfica B a manutenção na II Liga).

 

César Boaventura também faz negócios “maravilhosos” com clubes no leste da Europa, nomeadamente na Moldávia, terra dos senhores da União de Leiria que foram presos na operação Matrioskas. Curiosamente, o Benfica foi buscar ao União de Leiria vários jogadores por empréstimo (Leiria a emprestar jogadores ao Benfica!?).

 

Um dos sócios de César Boaventura na GIC é precisamente Abel Silva, o tal herói de Riade e que recentemente passou à condição de arguido no caso “Jogo Duplo”. Abel Silva que para além dos 12 anos que esteve como jogador do Benfica, passou ainda por mais duas ocasiões pelo clube da Luz. Em 2004, Luís Filipe Vieira contratou Abel Silva para adjunto de Rui Vitória, que na altura era treinador dos Juvenis. Em 2008 regressou como olheiro especialista nos mercados de leste. Importa salientar que a relação de Abel Silva com Luís Filipe Vieira remonta aos gloriosos tempos do Alverca.

Introducing João Moura

Perante este fantástico histórico dos senhores ligados à GIC, quero-vos apresentar mais um artista da mesma estirpe. Senhoras e senhores, abram alas para o Dr. João Moura.

Link (aqui)
O Dr. João Moura é chefe do departamento Jurídico da GIC England como se pode ver no site da empresa de César Boaventura.
Mas vejamos mais um pouco do curriculum do senhor:
Link (aqui)
O Dr. João Moura acabou o curso em 2014. A informação não está disponível mas é provável que tenha acabado o curso entre Julho e Setembro desse ano. Em Outubro desse ano entrou como advogado estagiário para o escritório do Dr. Lourenço Pinto, o que por si só já é um baptismo de fogo. Com 3 meses de advogado estagiário chegou a cronista do jornal Record como especialista em Direito Desportivo. (Ora digam lá que isto não é uma delícia)
Em Setembro de 2015 foi contratado pelo Marítimo de Carlos Pereira. Com menos de um ano de carreira já apanhou dois “professores catedráticos” do nosso futebol. Para fechar em grande, em Fevereiro de 2016 entrou como funcionário na Abreu Advogados. A Abreu Advogados que foi uma das quatro firmas escolhidas pelo Benfica para se defender do caso dos emails, como divulgou o Expresso este fim-de-semana.
Jornal Expresso deste fim-de-semana
Que lindas coincidências. Ora digam lá que com este curriculum o rapaz não tinha tudo para ser…

O novo “menino querido”

 

O “nosso amigo” João Moura congratulou-se com a entrada para delegado da Liga na próxima época desportiva, através de um post no seu facebook pessoal. Estamos portanto a falar de um senhor que é assessor jurídico do Marítimo, um dos competidores na Liga; que ao mesmo tempo trabalha para uma empresa de advogados que está a trabalhar para o Benfica no âmbito de um processo onde até a própria Liga está envolvida; e trabalha para um agência de jogadores de futebol, que é mais conhecida do grande público por estar ligada a malas, viciação de resultados e jogo ilegal.
Bravo!!! Mas não é só isto…

João Moura – O Pior do curso

Cliquem na imagem para aumentar. Link (aqui)
Como podem verificar nos resultados divulgados pela própria Liga, o nosso amigo João Moura foi o pior classificado dos 24 finalistas. Mas, mesmo assim foi um dos 8 escolhidos para delegado da Liga na próxima época. Curiosos para saberem porquê?

A regra dourada

A Liga e a universidade católica lançaram uma Pós-Graduação em Futebol Profissional. O mapa de estudos incluía os seguintes itens:
– Organização das competições profissionais (20 horas)
– Marketing e comunicação (20 horas)
– Enquadramento jurídico (40 Horas)
– Gestão e Contabilidade (40 horas)
No total estamos a falar de uma formação de 120 horas com um custo total de 3600€ para cada aluno. Importa salientar que estamos perante um custo que não está ao alcance de qualquer um. Mais depressa há que gaste o dinheiro nas meninas do: “200€ o tempo que quiseres, se for a 3 é 400€” do que em 120 horas de formação. Digo eu…

Até aqui tudo normal, não fosse o facto de existir uma regra peregrina que discrimina positivamente os estudantes desta formação. Vejamos:

Link (aqui)
Com que então há 4 vagas directas para os candidatos vindos da pós-graduação, nem que sejam uns calhaus com olhos. Pela via aberta a todos apareceram mais de 400 candidatos a delegados da Liga.
Link (aqui)
Estamos a falar de 400 candidatos a lutarem apenas por 4 vagas, uma vez que as restantes 4 vagas estão destinadas aos quatro melhores candidatos que fizeram a pós-graduação. Ora, como podemos verificar, dos estudantes na pós-graduação apenas 4 tiveram interesse em concorrer. E ficaram todos, independentemente da nota. Enquanto isso, dezenas de candidatos tiveram melhor nota do que a do Sr. Dr. João Moura, mas não entraram.
Eu chamo a isto comprar o lugar. Como é possível que a Liga desperdice gente que mostrou mais capacidade nas provas do que este artista? Há alguém neste país que consiga perceber isto? Os delegados são escolhidos em função da capacidade ou em função do pagamento de uma qualquer propina?

No meio de tudo isto não deixa de ser ainda mais inacreditável que gente sem qualquer tipo de formação tenha obtido melhores resultados do que este artista que “perdeu” 120 horas da sua vida na formação e pouco ou nada aprendeu.

Outro delegado ilegal

Link (aqui)

No domingo denunciei o caso de 6 delegados na Liga que estão na ilegalidade acumulando cargos nas estruturas das associações de futebol com o cargo de delegados da Liga. Inclusivamente, o líder dos delegados é um deles. Post pode ser lido (aqui).

Como podem verificar, o Sr. João Moura não cumpre o ponto 1 b) do Plano de Recrutamento e Formação de Delegados da Liga divulgado pela liga de clubes. A regra é bem explicita e impede que o delegado esteja ligado “por qualquer forma ao futebol profissional”. Basta olhar para o curriculum do artista para perceber o incumprimento inequívoco do regulamento de admissão de novos delegados.

Concluindo

Amanhã serão divulgados e “empossados” oficialmente os novos “meninos queridos” de raça pura, e vamos todos continuar a cantar o kumbaya.

Vai ser interessante ver o comportamento do senhor João Moura nos jogos do Marítimo. Terá coragem para dizer o que quer que seja contra o clube do qual é assessor? E nos jogos em que estão envolvidos clubes da AF Porto, presidida pelo seu primeiro patrão Lourenço Pinto? Também vai ver tudo direitinho? E nos jogos do Benfica, um dos mais importantes clientes da firma para a qual está a trabalhar? Ai também vai ter os olhos abertos? E nos jogos onde participarem atletas e treinadores agenciados pela GIC da qual é colaborador? Terá coragem para reportar alguma irregularidade cometida por algum deles? Não é evidente a incompatibilidade de funções?

E assim segue o futebol nacional.

Estou curioso para perceber se depois deste post e do post dos 6 delegados ilegais a imprensa divulgará esta informação ou se continuará silenciada a mando de alguém.

PS: E ainda não acabei de falar sobre “os meninos queridos”…

Creditos: Mister do